head artigos 18maio2016

Evaldo Pereira Portela [1]

Muitos locais pelo mundo são conhecidos pela beleza, singularidade e harmonia de suas paisagens produzidas pela ação humana. E no caso de algumas instituições museológicas [2], onde em geral sua principal função é preservar o patrimônio cultural em suas variadas vertentes, percebemos uma simbiose entre a edificação que abriga o museu e a paisagem circunscrita. Essa convivência, que na maioria das vezes agrada aos olhos, irá identificar o que podemos chamar de paisagem cultural do local.

18maio2016 evaldo 01

Um exemplo de prática antiga, como forma de embelezamento e consequente modificação de uma paisagem natural, é a utilização de espécimes vegetais. Observamos assim a construção de uma paisagem em diferentes culturas ocidentais e orientais, estando essa ação, imbricada à história das sociedades humanas.

As palmeiras imperiais (Roystonea oleracea) que circundam o prédio sede do Museu Imperial, antiga residência de verão do imperador d. Pedro II, estão especialmente ligadas a memória da edificação. No caso do Museu Imperial as palmeiras com o tempo passaram a fazer parte de um conjunto de elementos que identificam a paisagem. Os primeiros espécimes que chegaram ao Brasil vieram das Ilhas Maurício e foram presenteados ao príncipe regente d. João pelo viajante Luiz de Abreu Vieira e Silva. O príncipe plantou o primeiro exemplar, que ficou conhecido como a palma mater, em 1809, no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, criado pelo monarca no ano anterior e que tinha como principal propósito reunir espécies vegetais de várias partes do mundo. A partir das sementes desses primeiros indivíduos plantados aqui, se deu a disseminação da espécie por outras regiões. E o fato de d. João ter plantado a primeira palmeira, cuja principal característica é seu aspecto majestoso, parece ter feito com que esta planta ficasse simbolicamente ligada a monarquia e sendo com isso reforçada e conhecida como palmeira imperial.

18maio2016 evaldo 02Foto de 1874 onde se observa algumas das palmeiras imperiais ainda juvenis.

 

18maio2016 evaldo 03Foto de 2016 onde se observa as palmeiras já adultas.

A imponência dessa palmeira, que pode alcançar 50 (cinquenta) metros de altura, foi um atributo comumente apreciado no Brasil até o século XX, quando da elaboração de projetos paisagísticos que pretendiam destacar uma edificação ou uma via de acesso.

18maio2016 evaldo 04Aspecto das palmeiras que circundam o Museu Imperial.



18maio2016 evaldo 05Vista da varanda do Museu imperial de algumas palmeiras.


[1] Museólogo do setor de museologia do Museu Imperial; Graduado em museologia; Mestre em Estudos do Lazer; Licenciado em História.

[2] Entende-se como instituição museológica aquela que reuni ou apresenta características administrativas e funções técnicas (conservação, exposição, guarda de acervo etc.) que definem museu.

Fontes

 

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30