BRASIL, São Paulo- Morreu no sábado (27), aos 95 anos, o artista cinético venezuelano Carloz Cruz-Diez, em Paris, na França.


Foto: Divulgação/Cruz-diez.com

A notícia sobre sua morte foi confirmada neste domingo em seu site oficial.

A família do artista vai divulgar nas redes sociais quais serão as atividades e homenagens ao seu legado, mas que o velório será realizado na intimidade familiar.

Nascido em Caracas, Díez era considerado o maior artista cinético ainda vivo e tem sua obra espalhada por museus do mundo, como o MoMa, de Nova York, a Tate Modern, de Londres e outros.

O artista também realizou uma grande retrospectiva na Pinacoteca do Estado de São Paulo em 2012, composta por cerca de 150 obras.

Pelo Twitter, o ministro da Cultura da Venezuela lamentou a perda. “Que todas as cores brilhem, vibrem e se saturem em tributo à obra de Carlos Cruz Diez, mestre venezuelano da arte cinética (...) Os venezuelanos, para além de qualquer diferença, se unem no colorido luto por sua partida", afirmou.

O embaixador da França na Venezuela, Romain Nadal, também tuitou sobre a morte de Diez. “A França expressa sua profunda emoção, após o falecimento de Carlos Cruz-Diez. Precursor do cinetismo, visionário das cores e de seus jogos com os materiais, Carlos Cruz-Diez foi um venezuelano universal, cujas obras fazem parte da paisagem urbanística de muitas cidades", disse.

Fonte: FolhaPress SNG e JB

Agenda