SÃO PAULO, São Paulo - A revista Anais do Museu Paulista da USP acaba de lançar uma nova edição (v. 23, n. 2, 2015).

Neste número, a revista traz nove artigos que abordam assuntos como o modo senhorial de atuação no Brasil Império e as capitanias hereditárias no mapa de Luís Teixeira.

A publicação investe na articulação entre as atividades de natureza investigativa, tecnológica, educativa e documental. Os Anais reproduzem artigos teóricos e monográficos que tenham como eixo as práticas sociais intermediadas pela materialidade e tratadas como questões históricas.

Mais informações: (11) 2065-8034, site www.revistas.usp.br/anaismp , email Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. 

 

Fonte: USP

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 21/01/2016 - 42 visitas até 12:42h)

RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - Integrantes de mais de 100 projetos culturais voltados para jovens carentes vão se encontrar no Rio de Janeiro a partir de hoje (21), na sede do Rio Criativo, na Praça XI, centro da capital fluminense. O evento Territórios Culturais em Rede vai até sábado (23) e terá palestras, painéis, oficinas e apresentações artísticas, além de serviços de orientação e consultorias com instituições parceiras, como o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas e a Agência de Fomento do Estado.

Os projetos foram selecionados pelo edital Microprojetos, da Secretaria de Cultura, e o processo de seleção recebeu mais de 370 inscrições de nove regiões do estado. Entre os temas a serem abordados pelas iniciativas escolhidas estão moda, música, mídia comunitária, literatura, artes cênicas, audiovisual, gastronomia, memória, turismo e gestão cultural.

O tema da palestra de abertura, às 17h30, será Territórios populares: concepções e ressignificações contemporâneas, debatido pela coordenadora de Metodologia da Agência de Redes para Juventude, Ana Paula Lisboa, o antropólogo e historiador Marcos Alvito e o geógrafo e diretor do Observatório de Favelas, Jorge Luiz Barbosa.

Amanhã (22), a partir das 11h, o público poderá debater os temas Mídias Comunitárias, Coletivos culturais e Mobilização de valores. Também serão oferecidas as oficinas Como mobilizar redes transformadoras, das 10h às 11h, e Planejamento e gestão financeira, das 15h às 18h.

A programação completa do encontro pode ser acessada na página: www.cultura.rj.gov.br/territoriosculturais 

Territórios Culturais em Rede faz parte do Programa Territórios Culturais RJ, fruto de parceria entre a Secretaria de Cultura, com o patrocínio da Light, do Programa de Eficiência Energética da Agência Nacional de Energia Elétrica, do Banco Interamericano de Desenvolvimento, por meio do programa Caminho Melhor Jovem, desenvolvido pela Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude e do programa Cultura Viva, do Ministério da Cultura.

 

Fonte: Agência Brasil - Flávia Villela

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 21/01/2016 - 22 visitas até 12:47h)

RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - Nos dias 30 e 31, às 17h, acontece o lançamento em DVD do primeiro longa-metragem da jovem realizadora, que mergulha no passado desconhecido do pai, o intelectual Carlos Henrique Escobar. Os dias com ele revela as descobertas e as frustrações ao acessar a memória de um homem e de uma parte importante da história brasileira, a ditadura militar. Carlos Henrique Escobar, autoexilado em Portugal, é filósofo, dramaturgo, poeta, professor e foi um dos intelectuais mais provocativos dos anos 1960 e 1970, tendo sido preso e torturado durante o regime de exceção. Maria Clara é, por sua vez, uma filha que teve um contato distante com o pai e busca sua identidade. 

No texto que acompanha o livreto do DVD, Maria Clara descreve a dinâmica de seus primeiros encontros com ele para a produção do filme. “Eram muitas camadas de negociação acontecendo, e minha reação automática foi levar, clandestina, uma câmera mini-dv que gravou todo o som dessa primeira conversa, na qual ele conta sua história enquanto homem público. Essa mesma relação iria se repetir muitas vezes ao longo do filme. Ele usando a construção das palavras, e eu, o aparato da câmera. [...] Quase nunca se tinha certeza de quando se estava filmando e o que se estava produzindo do atrito. Eu filmava muito, tudo. Ele encenava muito– e assim íamos definindo a talvez única relação possível. O que retrata e o retratado. O que olha e o que é visto. E, por que não, dentro dessa mesma lógica de relação de poderes negociados e apropriação de sua matéria: o que é pai e a que é filha. Repetimos muitas vezes este procedimento; e de maneira estranha, através da repetição, íamos nos aproximando e conhecendo pouco a pouco as armadilhas de cada um e as armadilhas, talvez, em que cada um se encontrava preso.”

Para José Carlos Avellar, coordenador de cinema do IMS, “a redução do equipamento normalmente usado para a realização de documentários (câmera de 16 mm, gravador, microfone, chassis com 10 minutos de película, material de iluminação) a uma única peça, a câmera digital leve e ágil, tem estimulado a realização de filmes sobre o cotidiano de familiares, e o filme de Maria Clara é um bom exemplo disso”.

Os dias com ele foi o grande vencedor da Mostra de Cinema de Tiradentes em 2013, eleito como melhor filme pelo júri oficial e pelo júri jovem, recebeu o prêmio de melhor opera prima no DocLisboa no mesmo ano, menção honrosa na V Semana dos Realizadores, no 35º Festival del Nuevo Cine Latino Americano de Havana e no Festival Internacional de Cine de Murcia, Espanha, entre outros.

Acompanham o DVD o extra Fragmentos de uma conversa sobre Marxismo, depoimento não incluído na montagem final do filme, e um livreto com depoimento da realizadora e introdução crítica de Carla Maia, ensaísta e pesquisadora de cinema.

Os dias com ele está à venda nas lojas dos centros culturais do IMS, na loja virtual www.lojadoims.com.br  e em livrarias.

Preço: R$ 44,90

Sobre a diretora:

Formada na Escola de Cinema Darcy Ribeiro no Rio de Janeiro, ganhou aos 15 anos o prêmio de desenvolvimento de roteiro de longa-metragem do Ministério da Cultura. Dirigiu dois curtas, Domingo e Passeio de Família, participantes de diversos festivais, como o Festival de Cinema de San Sebastián, na Espanha. 

Maria Clara corroteirizou e foi diretora assistente do longa-metragem Histórias que só existem quando lembradas, de Julia Murat, que ganhou mais de 30 prêmios (como melhor roteiro no Fifale 2012 – Rabat, Marrocos), exibido em mais de 35 festivais internacionais e lançado em cinco países.

Com Os dias com ele, seu primeiro longa-metragem documentário como diretora, esteve no Berlinale Talent Campus –DocStation, no Bafici Talent Campus, em Buenos Aires, no Pitching DocMontevideo (onde foi premiada) e no Edinburgh Pitch 2012. O filme ganhou o edital Histórias que ficam, e estreou em 2013 na 16ª Mostra de Cinema de Tiradentes, onde ganhou três prêmios (júri jovem, oficial e prêmio Itamaraty). Foi pramiado também como melhor opera prima no DocLisboa, e recebeu dois prêmios no IV CachoeiraDOC (júri jovem e oficial). Estreou comercialmente no Brasil em 2014 em salas de cinema, e foi licenciado para o Canal Brasil e a TV Brasil.

Maria Clara produziu três episódios para o programa Sala de notícias, do Canal Futura: Silêncio, família; Memórias do audiovisual doméstico eNa fronteira. Recentemente, participou da residência artística Raum, realizada pela produtora Crim, em Portugal.

Atualmente, desenvolve o documentário Casas partidas, coproduzido pela Crim (que produziu o documentário E agora? Lembra-me, de Joaquim Pinto), que participa do Tribeca Filmmakers Institute e do Lisbon Docs Pitch. Produz também a série documental Comida imigrante, em conjunto com Ester Fér, premiada para desenvolvimento pela Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo e selecionada para o Pitching DocMontevideo, além do docuficção Explode São Paulo, Gil.

Recentemente, o longa de ficção Desterro, selecionado para as residências artísticas MacDowell, Millay Colony, Yaddo Colony, Cine Qua Non Lab, Plataforma:Lab, BrLab e Cinemundi, e premiado para desenvolvimento de roteiro pelo Programa Ibermedia foi contemplado pela Chamada Pública Prodecine 5/2014, e será produzido em 2016.

Ficha técnica:

Direção, som e fotografia: Maria Clara Escobar 

Produção executiva: Paula Pripas

Edição: Julia Murat e Juliana Rojas

Edição de som e mixagem: Ricardo Cutz 

Companhia Produtora: Filmes de Abril

Produtores associados: Aeroplano Filmes, Klaxon Cultura Audiovisual e Ricardo Leite

Com: Carlos Henrique Escobar, Ana Sachetti Escobar, Emilio Sachetti e Maria Clara Escobar

Ano de produção: 2013

Países: Brasil/Portugal

Duração: 107’

Classificação Indicativa: 10 anos

Programação:

Sábado | 30 de janeiro | 17h

Os dias com ele

De Maria Clara Escobar

Brasil, 2013. 107’

Domingo | 31 de janeiro | 17h

Os dias com ele

De Maria Clara Escobar

Brasil, 2013. 107’

Ingresso

R$ 8,00 e R$ 4,00 (meia)

Ingressos disponíveis também em www.ingresso.com  

Disponibilidade de ingressos sujeita à lotação da sala. 

Instituto Moreira Salles

Rua Marquês de São Vicente, 476

Gávea – Rio de Janeiro – RJ

21 3284 7400

Sobre a coleção de DVDs IMS:

A coleção de DVDs do IMS, lançada em 2012, divide-se em três linhas: filmes documentários, filmes de ficção e registros de entrevistas, mesas de debates e conferências organizadas pelo IMS. “Buscamos filmes que sejam especialmente significativos pelo tema ou pela forma narrativa, que se destaquem na filmografia de determinados realizadores”, explica José Carlos Avellar, curador da programação de cinema do IMS e responsável pela coleção de DVDs. “Algumas vezes, vamos em busca de títulos pouco ou nada conhecidos, outras, da revisão de filmes conhecidos para estimular um reestudo deles”, completa. Com esse objetivo, todo DVD da coleção vem acompanhado de um livreto com análises críticas. 

Alguns títulos da coleção IMS: Shoah, de Claude Lanzmann; La Luna, de Bernardo Bertolucci; Cerimônia de casamento, de Robert Altman; Conterrâneos velhos de guerra, de Vladimir Carvalho; Vidas secas e Memórias do cárcere, de Nelson Pereira dos Santos; São Bernardo, de Leon Hirszman; O emprego, de Ermanno Olmi; Cerimônia secreta, de Joseph Losey; As praias de Agnès, de Agnès Varda; A pirâmide humana e Cocorico! Mr. Poulet, de Jean Rouch; Diário, de David Perlov; Elena, de Petra Costa; A batalha de Argel, de Gillo Pontecorvo;Seis lições de desenho, de William Kentridge; Sudoeste, de Eduardo Nunes; Libertários, de Lauro Escorel;Chapeleiros, de Adrian Cooper; Memórias do subdesenvolvimento, de Tomás Gutiérrez Alea; Contatos, a grande tradição do fotojornalismo; e três títulos dedicados à poesia: Ferreira Gullar lê seu Poema sujo, e diferentes artistas leem trabalhos de Carlos Drummond de Andrade em Consideração do poema e em Vida e verso.

 

Fonte: divulgação por e-mail

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 21/01/2016 - 18 visitas até 12:58h)

SÃO PAULO, São Paulo - stão abertas as inscrições de chapas para a eleição dos novos diretor e vice-diretor do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP. As inscrições encerram-se no dia 29 de janeiro, com a eleição ocorrendo no dia 18 de fevereiro. Podem se candidatar, articulados em chapas, todos os professores titulares e professores associados 3 da Universidade.

Os docentes que estiverem exercendo as funções de diretor e vice-diretor de unidade e presidente e vice-presidente das comissões estatutárias (pesquisa; graduação; pós-graduação; cultura e extensão) deverão se afastar delas ao se inscreverem na disputa eleitoral do IEA. Poderão se candidatar ou votar até mesmo os docentes que estiverem em férias ou que, afastado de suas funções (com ou sem prejuízo de vencimentos), estiverem prestando serviços em outro órgão da USP.

A regulamentação do processo eleitoral consta da Portaria 2/2016 do diretor do IEA, Martin Grossmann, publicada na edição de 19 de janeiro do Diário Oficial do Estado de São Paulo.

As chapas deverão se inscrever até as 17 horas do dia 29 de janeiro, apresentando no ato sua proposta de programa de gestão. As inscrições serão feitas por meio do preenchimento de formulário, que deve ser enviado para o email Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.  ou entregue na sede do Instituto (rua Praça do Relógio, 109, bloco K, 5º andar, sala 535, São Paulo).

A eleição será realizada no dia 18 de fevereiro, das 9 às 17 horas, por meio de sistema eletrônico de votação e apuração de votos. Os eleitores que quiserem votar (eletronicamente ou em cédula de papel) na sede do IEA deverão comparecer no mesmo horário. Todas as informações sobre o processo eleitoral estarão concentradas neste site, inclusive propostas de programas de gestão apresentadas pelas chapas e vídeos com os candidatos (quando enviadas e produzidos pelos inscritos).

Com informações da Divisão de Comunicação do IEA

Mais informações: site http://www.iea.usp.br/iea/eleicoes

 

Fonte: USP

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 21/01/2016 - 20 visitas até 21:53h)

SÃO PAULO, São Paulo - Fazendas tombadas pelo Condephaat preservam a história da São Paulo rural do século 19 e permitem o contato com a natureza

O turismo rural tem atraído cada vez mais visitantes que saem dos grandes centros urbanos para o interior, em busca de tranquilidade e contato com a natureza. No Estado de São Paulo são muitas as opções, inclusive com fazendas históricas preservadas e protegidas pelo Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico e Turístico) como patrimônio histórico estadual. Por isso, fizemos uma lista com algumas destas fazendas para quem quiser relaxar, se divertir e, ao mesmo tempo, fazer uma viagem ao passado, conhecendo um pouco mais da história de São Paulo.

1. Sitio do Picapau Amarelo (Chácara do Visconde) - Taubaté

Que tal conhecer o local que inspirou Monteiro Lobato a escrever as aventuras da turma do Sítio do Picapau Amarelo? A chácara, imortalizada por Monteiro Lobato em suas obras, contava com uma área de 20 alqueires. Foi tombada pelo Condephaat em 1980. Incluem-se no tombamento a casa, a capela, um cruzeiro, uma velha jaqueira e mais um terreno de 7.000 m². Atualmente, funciona no local um museu em homenagem ao autor, o qual possui um acervo com objetos pessoais de Lobato, além de uma vasta biblioteca com as primeiras edições dos livros de Lobato e de outros escritores. O museu abriga ainda uma extensa área verde e espaços para apresentações teatrais com os personagens do Sítio.

Endereço:

Rua Campinas, s/nº - Chácara do Visconde

Horário: De terça a domingo das 9h às 17h

Contato: (12) 3625-5062

http://museumonteirolobato.com.br/ 

2. Fazenda Resgate – Bananal

A Fazenda Resgate pertenceu, no início do século XIX, ao comendador Inácio G. Monteiro, que a vendeu a José de Aguiar Toledo. A fazenda atingiu sua fase áurea com Manoel de Aguiar Vallim, que construiu a sua sede, aproximadamente, em 1820. Tombada pelo Condephaat em 1982, a fazenda foi uma das maiores produtoras de café do Vale do Paraíba. A casa, um solar assobradado construído em taipa de pilão e pau-a-pique, com planta retangular e telhado em quatro águas, constitui um dos mais ricos e requintados exemplos de moradia rural do período cafeicultor. O imóvel encontra-se em perfeito estado de conservação. No seu interior, encontram-se pinturas de José Maria Villaronga. A fazenda não possui hospedagem, mas a visitação é permitida para fins turísticos e culturais através de agendamento prévio.

Endereço:

Estrada Nova para Barra Mansa - Km 324

Horário: Terças, das 8h às 12h / quartas, quintas e sextas, das 8h às 16h

Contato: (12) 3116. 1002

http://www.fazendaresgate.com.br/ 

3. Fazenda Vargem Grande – Areias

A Fazenda Vargem Grande é uma antiga fazenda de café cuja sede data de 1837, época do “Ciclo do Café” em São Paulo. Os proprietários ficaram conhecidos como “Barões do Café”, principalmente no eixo entre as cidades de Areias, Bananal, São José do Barreiro, Silveiras e Queluz. A fazenda encontra-se em estudo de tombamento pelo Condephaat e atualmente abriga um belíssimo hotel fazenda que oferece atividades com trilhas, cachoeira e piscina. O casarão foi inteiramente restaurado e incorpora uma parte nova, construída conforme o padrão original. Todos os ambientes são repletos de detalhes e transformam a visita ao casarão de 1837 em uma viagem no tempo.

Endereço:

Estrada dos Tropeiros km 257 | Serra da Bocaina - SP - Brasil

Horário: Segunda a sexta das 10 às 17 horas

Contato: (12) 99759-5351

http://www.fazendavargemgrande.com.br 

4. Fazenda Morro Azul – Iracemápolis/Limeira

Tombada em 1974, a Morro Azul é um elegante exemplo de fazenda do século XIX, cujo destaque é seu projeto arquitetônico. Em forma de palacete, exibe azulejos portugueses e ingleses na fachada. A sede da fazenda foi construída em 1877, pelo coronel Silvério Rodrigues Jordão. Constitui um modelo raro no panorama da arquitetura rural paulista, tendo como característica principal a sua feição urbana dada pela presença de azulejos, cantaria, estuque e mármore, dispostos segundo padrões ecléticos. Do lado de fora, estão belos riachos, uma floresta de jequitibás e as salas de banho, também conhecidas como Ruínas das Termas do Imperador, pois, a fazenda hospedou o imperador D. Pedro II por duas vezes (1878 e 1886). A Morro Azul é aberta para visitações agendadas e os passeios são acompanhados por guias ou pessoas ligadas à família proprietária.

Endereço:

Rodovia Limeira-Iracemápolis

Contato: 99607-1188 - e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. 

5. Fazenda Lageado – Botucatu

A instalação da fazenda remonta à segunda metade do século XIX, quando ocorre grande expansão da economia cafeeira no Oeste Paulista. Neste contexto a Fazenda Lageado configurou-se como empresa cafeicultura para a grande exportação. Sua estrutura é composta por casa-grande, terreiros de secagem, lavagem de grãos, tulhas e casa de máquinas, bem como instalações que garantiam seu auto-funcionamento: moinho, serraria, paiol, estábulo etc. A Fazenda foi adquirida pelo Departamento Nacional do Café e, a partir de 1934, convertida na Primeira Estação Experimental de Café do País. Sob orientação do Ministério da Agricultura, serviu como centro pioneiro de pesquisa e experimentação agrícola, contribuindo para elevar a qualidade e produtividade da agricultura brasileira. Na década de 1970, o local foi cedido à UNESP, que instalou ali a Faculdade de Ciências Agronômicas e Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Campus Botucatu.

Endereço:

Portaria Principal: Rua José Barbosa de Barros, nº 1780.

Portaria II: Rodovia Alcides Soares, Km 3.

 

Fonte: SEC SP

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 20/01/2016 - 23 visitas até 13:06h)

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31