PARANÁ, Curitiba - Durante o mês de abril o Museu Paranaense recebe indígenas da tribo Fulni-ô, do interior de Pernambuco, e abre a exposição "A Arte de Daniel Conrade: Povos Indígenas e Natureza" para celebrar o Dia do Índio, comemorado em 19 de abril.

O diretor do Museu Paranaense, Renato Carneiro, conta que no ano passado recebeu a visita inesperada dos Fulni-ô, chefiados por Towê Veríssimo, que ficaram vários dias no museu. O que foi uma surpresa acabou tornando-se uma grande parceria. "Neste ano, com aporte de recursos do Governo do Paraná e da Secretaria da Cultura, vamos estreitar ainda mais esses laços, para conhecer e difundir a cultura Fulni-ô em Curitiba. Para isso serão feitas apresentações e vivências com os integrantes desta tribo nas instalações do museu, voltadas para o público em geral, mas principalmente para estudantes que tradicionalmente visitam o MP em abril, por conta da celebração do Mês do Índio".

Os indígenas Fulni-ô vêm à Curitiba divulgar sua cultura e artesanato. Os objetos e adornos, como colares, cocares e pulseiras estarão à venda no museu e a renda será revertida para a aldeia. Atualmente, o povo indígena Fulni-ô precisa comprar até mesmo água potável para consumo, além de outros suprimentos. Os índios estarão no Museu Paranaense nos dias 11, 13, 25 e 27 de abril, durante todo o dia; nos dias 19 e 30 na parte da manhã e no dia 2 de maio na parte da tarde.


A abertura da exposição "A arte de Daniel Conrade: Povos Indígenas e Natureza" será no dia 19 de abril, às 18h. Na mostra, os visitantes poderão conferir as pinturas do artista, que registrou com perfeição povos indígenas e a vegetação e a fauna da Mata Atlântica. Destacam-se os retratos dos amigos indígenas Mbyá-Guarani  de Guaraqueçaba que compartilharam com Daniel seus conhecimentos sobre a arte tradicional. Também impressionam as imagens de tucanos, onças, periquitos e lobos-guará representantes da fauna paranaense.

Sobre o povo Fulni-ô
Os Fulni-ô habitam o município de Águas Belas (PE). É a única tribo do Nordeste que conseguiu preservar a própria língua, chamada Ia-tê, assim como o sigiloso ritual Ouricuri, que acontece em agosto. O que é de conhecimento público é que, durante o ritual, é realizada a eleição das autoridades máximas da tribo: o Pajé, o Cacique e a Liderança.

Sobre Daniel Conrade
Nascido em Paranaguá, cresceu entre montanhas e rios, o que lhe deu intimidade com a natureza e profunda identificação com o modo de vida das populações indígenas. Esses temas serviram de inspiração para os seus trabalhos artísticos, dedicados à ilustração científica e à arte naturalista. Em 2016, lançou no Museu Paranaense o livro A Arte Guarani-Mbya de Guaraqueçaba, aldeia Kuaray Guata Porã, uma preciosa etnografia, na qual registrou em desenhos, pinturas e textos a arte escultórica dos indígenas Guarani do litoral do Paraná. Daniel faleceu em janeiro de 2017.

Serviço
Mês do Índio no Museu Paranaense
Exposição e venda de artesanatos da tribo Fulni-ô
Dias 11, 13, 25 e 27 de abril o dia todo
Dias 19 e 30 de abril na parte da manhã
Dia 2 de maio na parte da tarde
Entrada gratuita

Abertura da exposição "A Arte de Daniel Conrade: Povos Indígenas e Natureza"
Dia 19 de abril às 18h
Período expositivo: até 16 de julho de 2017
Entrada gratuita

Museu Paranaense
Rua Kellers, 289 | São Francisco | Curitiba-PR
Terça a sexta-feira, das 9h às 18h
Sábado, domingo e feriado das 10h às 16h
www.museuparanaense.pr.gov.br

Fonte: SEEC PR

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31