MINAS GERAIS, Belo Horizonte - Belo Horizonte recebe, no período de 9 de julho a 10 de setembro, a mostra inédita 'O Desafio Cartográfico do Novo' com acervos de documentos raros vindos de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro.

Cerca de 350 mapas, plantas, manuscritos e outros grandes tesouros da cartografia mundial, tendo como foco o Brasil, serão exibidos nas exposições Cartografar, pintar e desenhar Minas Gerais, no Museu Mineiro; Olhares sobre o globo e sobre o Brasil, no Centro Cultural Minas Tênis Clube; e Belo Horizonte e a Cartografia de uma Cidade Planejada, no Museu Histórico Abílio Barreto. A mostra permite que o público conheça um panorama raríssimo com um conjunto de documentos com informações de toda natureza – geográfica, territorial, natural, humana e etnográfica – da História do Brasil.

As obras das exposições pertencem a instituições como a Fundação Biblioteca Nacional, Arquivo Público Mineiro, Instituto Cultural Amilcar Martins, Instituto de Estudos Brasileiros (USP), Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Setor de Obras Raras e Especiais (UFMG) e coleções particulares. Essa é a primeira mostra que trata de toda a evolução da representação cartográfica do Brasil e de Minas Gerais, exibindo acervos nunca antes reunidos. Destaca-se, também, o conjunto de documentos cartográficos associado à construção da capital mineira que, pela primeira vez, são apresentados em conjunto.

O Desafio de Cartográfico do Novo integra a 27ª International Conference on the History of Cartography — ICHC 2017, realizada na capital mineira, entre 9 e 14 de julho, no Minas Tênis Clube. A ICHC é o único seminário internacional inteiramente dedicado ao avanço do conhecimento no campo da História da Cartografia e da produção de mapas. Pela primeira vez a conferência se desloca para a América Latina, o que demonstra a importância que o campo da História no Brasil e seus pesquisadores vêm adquirindo no cenário mundial.

Foto: divulgação

“A mostra revela como a cartografia no Brasil acompanha a forma de como os mapas foram feitos no mundo inteiro. Geralmente, nos compêndios, compreende-se como portuguesa a boa cartografia do século 16, a holandesa no século 17 e a francesa no século 18. Nos módulos das exposições, mostraremos que isso é uma construção artificial da história da ciência. Temos mapas e manuscritos de uma riqueza e de uma qualidade cartográfica que revelam que os portugueses estavam afinados com o que se fazia na mesma época nos centros europeus considerados mais importantes, como Inglaterra e França”, explica a curadora geral da mostra, a historiadora Junia Ferreira Furtado.

Com obras que atravessam mais de 400 anos, as exposições foram pensadas para revelar como a progressiva descoberta do Brasil incitou a mente das pessoas, principalmente europeias, ao redor do mundo. “Os mapas mostram como a imaginação sobre a realidade do Brasil foi alimentada com informações sobre sua geografia, sua flora, sua fauna, seu relevo e seus rios; criando imagens que oscilam entre o real, a propaganda e o imaginário”, divulga o coordenador geral da montagem e um dos curadores, o historiador René Lommez Gomes.

A mostra está organizada dentro de um formato pouco convencional em Belo Horizonte. Ela se divide em três exposições com temas distintos, separadas cada uma em importantes instituições museológicas da capital mineira. Além disso, a mostra apresenta muitos manuscritos e documentos que não circulam pelo país. Parte dos mapas é pouco conhecido e pouco estudado, como os mapas cartográficos de Belo Horizonte. “É um fato inédito ter a cartografia de preparação da cidade exposta”, ressalta a curadora Junia Ferreira Furtado.

MUSEU MINEIRO
Com curadoria da historiadora Junia Ferreira Furtado (UFMG), a instituição apresenta a exposição Cartografar, pintar e desenhar Minas Gerais, entre 9 de julho e 10 de setembro, que exibirá a evolução cartográfica da representação de Minas Gerais, de capitania a província, nos séculos 18 e 19. A transformação da região foi registrada em mapas manuscritos, mostrando a dinâmica de sua expansão territorial e crescente população (do centro para o exterior). Três áreas separadas evoluíram: a região do ouro (centro), a região do diamante (nordeste) e os sertões, ainda ocupados pelos índios (leste e oeste).

CENTRO CULTURAL MINAS TÊNIS CLUBE
Com curadoria de Junia Ferreira Furtado (UFMG), René Lommez Gomes (UFMG), Iris Kantor (USP) Andrea Doré (UFPR), o espaço realiza a exposição Olhares sobre o Globo e o Brasil, entre 11 de julho e 10 de setembro, que apresentará documentos cartográficos originais e raríssimos – muitos com única cópia –, oriundos de arquivos brasileiros, em diferentes escalas e linguagens, que representam visualmente a evolução e a transformação das Terras do Brasil. A exposição se divide em 7 grandes seções temáticas que exibirá uma amostra representativa de itens preciosos e pouco conhecidos dessa coleção, ambos manuscritos e impressos. Estes ilustram como os portugueses representaram seu império em mapas.

MUSEU HISTÓRIO ABÍLIO BARRETO
Com curadoria da historiadora Maria do Carmo Andrade Gomes, a exposição Belo Horizonte e a Cartografia de uma Cidade Planejada, em cartaz de 13 de julho a 10 de setembro, apresentará a coleção de representações visuais e cartográficas (mapas, panoramas e planos de construções públicas e privadas) do período de criação da cidade de Belo Horizonte. O material pertencia anteriormente ao comitê encarregado de construir a cidade e agora é de propriedade do Museu Histórico Abílio Barreto e do Arquivo da Cidade de Belo Horizonte.

SERVIÇO
MOSTRA O DESAFIO CARTOGRÁFICO DO NOVO
09 de JULHO a 10 de SETEMBRO – BELO HORIZONTE – MG
Entrada Franca
Classificação: Livre

Locais e Horários:
Museu Mineiro
O Desafio Cartográfico do Novo: Cartografar e Desenhar Minas Gerais
09 de Julho a 10 de Setembro
Horário de Funcionamento
Terça à sexta: 10h às 19h
Quinta-feira: 12h às 21h
Sábado e domingo: 12h às 19h.
Telefone: (31) 3269-1103

Centro Cultural Minas Tênis Clube
O Desafio Cartográfico do Novo: Olhares sobre o Globo e o Brasil
11 de Julho a 10 de Setembro
Horário de Funcionamento
De terça a sábado: 10h às 20h
Domingos e feriados: 11h às 19h
Telefone: (31) 3516-1023

Museu Histórico Abílio Barreto
O Desafio Cartográfico do Novo: Belo Horizonte e a Cartografia de uma Cidade Planejada
13 de Julho a 10 de Setembro
Horário de Funcionamento
Terça a sexta: 09h às 12h e 13h às 18h;
Sábado e domingo: 10h às 17
Telefone: (31) 3277-8573

www.fafich.ufmg.br/ichc2017
www.facebook.com/desafiocartografico
www.instagram.com/desafiocartografico

Fonte: SEC MG

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31