RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - No ano em que comemora o seu bicentenário, o Museu Nacional, vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), tem novo diretor.

O paleontólogo Alexander Kellner tomou posse ontem (7) em cerimônia reservada no gabinete da vice-reitora da universidade, professora Denise Fernandes Lopez Nascimento.

Kellner, que estará à frente do museu no quadriênio 2018/2021, foi o vencedor, com 63,72% dos votos, da consulta realizada em setembro passado junto ao corpo social da instituição. A nova direção conta ainda com os professores Cristiana Serejo (vice- diretora), Luiz Fernando Dias Duarte (diretor adjunto técnico-científico), Lygia Dolores Ribeiro de Santiago Fernandes (diretora adjunta de Ensino) e o museólogo Wagner William Martins (diretor adjunto administrativo).

As atividades em comemoração aos 200 anos do Museu Nacional, criado por Dom João VI em 6 de junho de 1818, e a revitalização da instituição estão entre as prioridades do novo diretor. “Por que a população brasileira não pode ter um museu de história natural de grande porte, bacana como nos outros países? Por que só a elite pode viajar pra fora e ver esses museus fantásticos? Não há justificativa”, disse Kellner.

Há 20 anos no Museu Nacional, Alexander Kellner foi chefe de Departamento de Geologia e Paleontologia e coordenador do Programa de Pós-Graduação em Zoologia. Atualmente é professor titular da instituição e membro da Academia Brasileira de Ciências (ABC).

Primeiro museu do Brasil, a instituição hoje vinculada à UFRJ é também a mais antiga do país nas áreas de História Natural e Antropologia. Desde 1892 o Museu Nacional está sediado no Paço de São Cristóvão, na Quinta da Boa Vista, zona norte do Rio. O palácio foi a residência oficial da família imperial até a Proclamação da República, em 1889.

Fonte: Agência Brasil - Paulo Virgilio

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31