RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - Inaugurada no dia 9 de outubro no Museu Nacional de Belas Artes/Ibram/MinC, a mostra 'Três gravuristas e o exílio no Brasil: Fayga Ostrower, Axl Leskoschek, Lasar Segall' apresenta 32 obras originais dos três mestres da gravura que chegaram ao Brasil no século 20, fugindo do nazismo na Europa e aqui se estabeleceram, influenciando várias gerações de artistas no país.

Obra de Fayga Ostrower. Água-forte e água-tinta (Foto: divulgação/MNBA)

O propósito é lançar o foco sobre como a vivência de partida, migração e exílio marcaram o estilo dos artistas, e como eles, por sua vez, trouxeram novas técnicas, novos olhares e novas formas de pensar a arte e o processo de criação.

O judeu ucraniano Lasar Segall (1891-1957) chegou ao Brasil já na década de 1920. Voltou para a Europa, mas regressou em definitivo para São Paulo com o recrudescimento das manifestações antissemitas de extrema direita. Em suas gravuras, o autor do famoso Navio de Emigrantes evoca temas judaicos e a sua aldeia nativa, além do cotidiano do país que o acolheu.

Polonesa de origem, Fayga Ostrower (1920-2001) viveu com a família na Alemanha até a fuga noturna atravessando florestas para a Bélgica e, de lá, para o Brasil, em 1934. Dedicou-se durante meio século à arte e passou do figurativo ao abstrato em suas gravuras. Além do seu legado artístico, foi uma pensadora que refletiu sobre arte e estética em vários livros.

O austríaco Axl Leskoschek (1889-1975), de orientação política de esquerda, precisou sair da Áustria quando se filiou ao partido comunista. No Brasil, foi professor na Fundação Getúlio Vargas e teve um ateliê famoso na Glória. Formou uma geração de expoentes da gravura, como a própria Fayga. O visitante poderá ver o seu delicado livro Miniaturas brasileiras, com cenas do cotidiano.

A exposição 'Três gravuristas e o exílio no Brasil: Fayga Ostrower, Axl Leskoschek, Lasar Segall', pretende despertar a reflexão sobre uma temática cada dia mais atual – o sofrimento do exílio, o acolhimento, a riqueza que reside no olhar de uma outra cultura. Esta mostra inaugura uma parceria entre o MNBA e a CASA STEFAN ZWEIG, de Petrópolis, dedicada ao tema do exílio. A mostra é complementada por painéis, cartas, fotos e filmes.

'Marinheiro deitado com cachimbo', de Lasar Segall, 1930 (Foto: divulgação/MNBA)

Serviço
Exposição 'Três gravuristas e o exílio no Brasil: Fayga Ostrower, Axl Leskoschek, Lasar Segall'
Período: de 9 de outubro de 2018 a 3 de fevereiro de 2019
Visitação: de terça a sexta, das 10h às 18h; sábados, domingos e feriados, das 13h às 18h.
Ingressos: R$ 8,00 e R$ 4,00(meia). Ingresso-família (para até 4 membros de uma família) a R$ 8,00. Venda de ingressos e entrada até 30 min antes do fechamento do Museu.
Telefone: (21) 3299-0600
Visite o site: www.mnba.gov.br
Curta a nossa fanpage: www.facebook.com/MNBARio

Casa Stefan Zweig: Kristina Michahelles – tel: (24) 2245-4316
Acesse o site: www.casastefanzweig.org.br

Fonte: Assessoria de Imprensa MNBA

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31