RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - O calendário de novembro da Galeria de Arte Ibeu traz no dia 13 de novembro, às 18h30, as aberturas simultâneas das exposições "Canção do Exílio", de Inês Cavalcanti, e "Abissais", de Ni da Costa, ambas aprovadas pelo Edital de Exposições Ibeu 2018.

Obra de Ni da Costa (Foto: divulgação)

As duas mostras têm curadoria de Cesar Kiraly e ficam em cartaz até 7 de dezembro. A entrada é franca.

Em "Canção do Exílio", Inês Cavalcanti apresenta uma sutil versão do Brasil contemporâneo, em saquinhos de chá, a partir do poema homônimo de Gonçalves Dias, com peças elaboradas no período entre 2013 e 2018. Na mostra, a sonoridade do texto, a redondilha dos versos curtos e a repetição de imagens dão o tom da narrativa poética do trabalho da artista. Além disso, o sentimento de desterro alinhavado e bordado forma, lentamente, a costura de fragmentos de uma memória idealizada.

"Para apresentar este Brasil, a artista prolifera unidades de tecido a serem associadas em alegoria ao potencial de preenchimento que a precariedade é obrigada a aprender a ter. O mesmo é feito com inúmeros saquinhos de chá secos com desenhos a nanquim. Os sentimentos são mostrados equivalentes como a Palma Mater decapitada por um sardônico raio", avalia o curador Cesar Kiraly.

Para simbolizar a misteriosa profundidade do oceano, a artista Ni da Costa - que já participou de Novíssimos em 2000, voltando à galeria após 18 anos - deu o nome de "Abissais" à mostra que retrata a metade de pessoas imersas ou flutuantes e peixes estranhos repletos de cores vívidas. Segundo o curador, a noção é que a resistência à profundidade implica certa dose de adaptabilidade que torna as criaturas curiosas e divertidas. Às pinturas, feitas com técnica de lógica assemelhada à gravura, são somados pequenos objetos que reinventam nudibrânquios: adoráveis moluscos coloridos que se camuflam entre corais.

"Abissais são aqueles seres que resistem a profundidades assustadoras. Para suportá-las, precisam assumir formas estranhas, camuflagens inusitadas e cores muito vívidas. Se peixes, provocam ternura pelo ar circunspecto. Se moluscos, tendo perdido suas conchas à evolução, se ameaçados, são amigos que secretam ácido sulfúrico e buscam a proteção de queimantes anêmonas. Nessas pinturas, em que as pessoas são mostradas às metades, é o oceano infindo que lhes confere potencial. Ainda que à superfície, se incentivadas, o que não poderiam com um pouco mais de fôlego?", analisa Kiraly.

SOBRE INÊS CAVALCANTI
Iniciou formação artística na década de 1980. Estudou no ateliê Hélio Rodrigues, realizando o Curso livre de Desenho e Aquarela. Na EAV do Parque Lage, um marco na arte e na cultura cariocas, estudou modelo vivo com Gianguido Bonfanti, gravura em metal com José Lima e xilogravura com Anna Carolina. Possui formação no MAM, em gravura em metal com Rossini Perez, e ­escultura com Tunga.

Obras de Inês Cavalcanti (Foto: divulgação)

SOBRE NI DA COSTA
Iniciou sua formação artística em 1979, no Ateliê Livre Hélio Rodrigues. Frequentou o curso de gravura em metal a EAV Parque Lage, ateliê de escultura do MAM, com Tunga, e desenho de modelo vivo, com Gianguido Bonfanti. Entre as exposições coletivas já realizadas, destacam-se "VIII Encontro Nietzsche.Schopenhaeur", no Centro Cultural Dragão do Mar, "Mostra Gráfica do Curso de Verão", na Espanha, entre outras.

Serviço
“Canção do Exílio” e “Abissais” – Galeria de Arte Ibeu inaugura duas exposições simultâneas
Abertura: 13 de novembro (terça-feira), às 18h30
Exposição: 14 de novembro a 7 de dezembro de 2018
Horário de visitação: de segunda a quinta-feira, das 13h às 19h (às sextas, de 12h às 18h).
Endereço: Rua Maria Angélica, 168 – Jardim Botânico – RJ
(21) 3239-2863 / Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Entrada franca
Classificação etária: livre

Fonte: divulgação por e-mail

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31