RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - O Oi Futuro inaugura, no dia 7 de abril, às 13h, a exposição 'Narrativas', de Chico Cunha, com a curadoria de Alberto Saraiva.

Exposição 'Narrativas', de Chico Cunha, no Oi Futuro (Foto: divulgação)

O artista carioca apresenta uma instalação de 52m2 com esculturas feitas de balas transparentes coloridas e dois vídeos. As figuras produzidas com as balas são personagens inspiradas nas pinturas do artista renascentista Pieter Bruegel e do pós-impressionista Henri Rousseau.

As obras referem-se às pesquisas pictóricas e espaciais desenvolvidas por Chico Cunha desde a década de 1980 até os dias de hoje, em que trabalha com as possibilidades da narrativa na pintura. Inicialmente fazia alusões à escrita e, com o tempo, a figura entrou em seu trabalho. Hoje faz uma junção das questões que o atraem na pintura: figuras, paisagens e referências da arte. A instalação que apresenta está diretamente relacionada ao seu trabalho de pintor, materializando o espaço das suas pinturas.

Há cerca de cinco anos, Chico Cunha utiliza em suas obras imagens da história da arte, especialmente de Bruegel e Rousseau. As balas remetem à infância do artista, quando eram feitas de açúcar, vitrificadas e coloridas. São símbolos do universo infantil, de uma ideia de ingenuidade, contida na própria obra do Rousseau, considerado um pintor naif.

“Minha pesquisa continua sendo sobre as questões da pintura, meu trabalho sempre esteve relacionado com o figurativo e com a narrativa. Desde o início da minha carreira, há 30 anos, eu me interesso pelo universo lúdico. Me interessam as imagens, a cor e a própria materialidade das balas de açúcar, mas podemos ir além, e discutir também a questão da gula e da perenidade. A ação do tempo durante a exposição vai transformar o material, tudo isso me interessa. Isso tem a ver com a minha pintura porque não deixa de ser uma representação de um espaço com personagens. Meu trabalho sempre versou em torno da paisagem e de elementos nela inseridos”, explica o artista.

Chico Cunha nasceu, vive e trabalha no Rio de Janeiro. É um dos principais expoentes da Geração 80. Na histórica exposição "Como vai você Geração Oitenta?" apresentou "Sonho de Valsa”, pintura de grandes dimensões que dialogava com o espaço arquitetônico da colunata interna da Escola de Artes Visuais do Parque Lage e que hoje é um dos principais ícones da época. “Suas principais referências vinham da pintura chinesa e de Guignard justamente porque o espaço era um dos vetores mais significativos de sua produção. A paisagem e o espaço apresentado nesses pintores interessavam o artista como modelo de especulação. Durante anos sua pintura ocupou-se em apresentar vastos espaços com miríades de pequenos acontecimentos que se articulavam de modo independente uns dos outros e sem que houvesse uma conexão exata entre eles”, ressalta o curador Alberto Saraiva.

É professor da Escola de Artes Visuais do Parque Lage desde 2002. Cursou arquitetura na Universidade Santa Úrsula (1978-1982). Estudou desenho e pintura na EAV/Parque Lage, com Luiz Aquila e John Nicholson (1980-1983). Fez curso de especialização em História da Arte e Arquitetura na PUC/RJ (1989-1990). Em 1991, ganhou a Bolsa Ciudad de México, da Prefeitura da Cidade do México. Entre mostras individuais destaca-se: “Desenhos (ocupação Márcia Milhazes” (2015) e projeto “Tech Nô” (2014) nos Oi Futuro Flamengo, RJ; “Pinturas e desenhos”, Paço Imperial, RJ, 2014; “Cine Azteca – Campo Grande”, Oi Futuro RJ, 2012. Entre as mostras coletivas cabe ressaltar: “Em Polvorosa”, MAM RJ, 2017; “Amores Platônicos”, MAC Niterói, 2014; “Um Caminho, Coleção Anna Maria Niemeyer”, Paço Imperial, RJ, 2013; “Colectiva”, Sala Alternativa de Artes Visuales, Caracas, Venezuela, 2010; “Chroma”, Coleção Gilberto Chateaubriand, MAM RJ, 2005, entre muitas outras, além da antológica “Como Vai Você, Geração 80?”, Parque Lage, RJ em 1984.

Sobre O Oi Futuro
O Oi Futuro, instituto de inovação e criatividade da Oi, promove ações de Educação, Cultura, Inovação Social e Esporte para melhorar a vida das pessoas e transformar a sociedade. O instituto impulsiona iniciativas colaborativas e inovadoras, fomenta experimentações e estimula conexões que potencializam o desenvolvimento pessoal e coletivo.

Na Educação, o Oi Futuro investe em novas formas de aprender e ensinar com o NAVE (Núcleo Avançado em Educação), que forma jovens para as economias digital e criativa, com foco na produção de games, aplicativos e produtos audiovisuais. Desenvolvido em parceria com as Secretarias de Estado de Educação do Rio de Janeiro e Pernambuco, o programa oferece ensino médio integrado e já formou mais de 2 mil jovens em 12 anos de atuação. Os estudantes do NAVE são incentivados a desenvolver o espírito empreendedor e a estabelecer suas primeiras conexões profissionais no mercado de inovação e tecnologia. Nas escolas do programa, educadores e estudantes elaboram e testam novas metodologias e práticas pedagógicas que possam ser compartilhadas com outras escolas da rede pública e outros contextos educacionais.

Na Cultura, o instituto é um catalisador criativo, impulsionando pessoas através das artes, estimulando a cocriação e promovendo o acesso à cultura na era digital. O Oi Futuro mantém um centro cultural no Rio de Janeiro, com uma programação que valoriza a produção de vanguarda e a convergência entre arte contemporânea e tecnologia, e realiza o Programa Oi de Patrocínios Culturais Incentivados, que seleciona projetos em todas as regiões do país por meio de edital público. O Instituto também tem o Museu das Telecomunicações, pioneiro no uso da interatividade no Brasil, e o LabSonica, laboratório de experimentação sonora e musical. Também no Rio, o Oi Futuro mantém a Oi Kabum!, escola de arte e tecnologia onde está abrigado o Lab.IU, Laboratório de Intervenção Urbana.

Na Inovação Social, o Oi Futuro lançou o Labora, laboratório de soluções singulares e de impacto para as cidades e a gestão cultural. O Labora é um ambiente de conexão, aprendizagem e criação para organizações e empreendedores comprometidos com a transformação de impacto, e oferece programas de incubação e aceleração para projetos e negócios de impacto social. O Oi Futuro também aposta em projetos esportivos que conectem pessoas e promovam a inclusão e a cidadania.

Numa confluência entre as áreas de Cultura e Inovação Social, nasceu o Lab Oi Futuro, espaço de criação, experimentação e colaboração idealizado para impulsionar criadores de diversas áreas e startups de impacto social de todo o Brasil, selecionados por editais públicos. Com mais de 500m², o laboratório abriga o LabSonica e o Labora e oferece estrutura física e suporte técnico necessários para que seus participantes viabilizem seus projetos em um ambiente que estimula a produção colaborativa, a formação de redes e a inovação.

Serviço
Exposição: 'Chico Cunha | Narrativas'
Curadoria: Alberto Saraiva
Local: Centro Cultural Oi Futuro – Galeria 2
Endereço: Rua Dois de Dezembro, 63 - Flamengo
Telefone: (21) 3131-3050
Abertura: 7 de abril de 2019, segunda-feira, de13h às 20h
Visitação: 9 de abril a 2 de junho de 2019
Terça a domingo, das 11h às 20h
Classificação indicativa: Livre para todos os públicos
Entrada Franca

Fonte: Oi Futuro

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31