MINAS GERAIS, Belo Horizonte - Totens interativos, jogos e realidade aumentada vão dar o tom da exposição “Interagir: tocar, ouvir, criar”, que traçam no CCBB BH um panorama de cinco séculos de práticas musicais brasileiras de todos os tempos e gêneros.

A mostra reunirá instrumentos indígenas, europeus e africanos, vídeos e instalações digitais. Com curadoria da cravista e doutora em Informática Rosana Lanzelotte, o projeto se apoia nos conteúdos reunidos ao longo de sete anos para o portal Musica Brasilis (www.musicabrasilis.org.br), que realiza um relevante trabalho de resgate e difusão de música brasileira.

“Quis fazer uma exposição que contasse, de maneira divertida, todas as facetas da música brasileira. É na música que a gente mais percebe a mistura, a miscigenação das culturas. Na mostra o visitante poderá percorrer uma linha do tempo interativa, entender como funciona a notação musical, através de partituras animadas, e brincar de compor a sua própria música, colocando peças em uma mesa. Estarão expostos diversos instrumentos, inclusive um piano-forte, construído inicialmente como cravo, em 1765. A exposição é a materialização dos conteúdos do portal Musica Brasilis, assim como o portal é, de certa forma, o catálogo da exposição. O foco no programa educativo é muito importante: serão realizados encontros com professores e visitas guiadas para estudantes. Os conteúdos da exposição e do portal poderão ser utilizados como material de apoio para o ensino obrigatório de música", afirma Rosana, curadora e criadora do Musica Brasilis.

Contemplada no edital de cessão de espaço do CCBB, a mostra integra oVII Circuito BNDES Musica Brasilis, que esse ano realiza 14 espetáculos multimídia nas cidades do Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Vitória, Aracaju, Paraty, Campinas e Belém. A abertura,dia 22/06, contará com a apresentação “De modinhas e Marílias”, dedicado às modinhas, que tiveram seu momento áureo no Brasil no final do século XVIII, início do século XIX. No programa, obras do violinista, cantor, poeta e compositor Cândido Inácio da Silva, o maior modinheiro dessa geração; do padre José Maurício Nunes Garcia, que orientou trajetória artística de Cândido; Tomás Antonio Gonzaga, participante da Inconfidência Mineira e autor da obra poética Marília de Dirceu, personagem mítica de Minas Gerais; Joaquim Manoel da Câmara, violinista e cavaquinista que se destacou nos anos 1800 e impressionou até mesmo Neukomm, que harmonizou 20 de suas modinhas; Neukomm e Carlos Gomes.

Com entrada gratuita, a mostra exibe o vídeo Imagens da Música, que mostra desde a reconstituição dos cantos tupinambás, anotados por Jean de Léry em 1557, passando pelos carros alegóricos que desfilaram no Carnaval de 1786, gravuras de Debret e Rugendas retratando escravos e suas práticas musicais, até grafites do século XXI.

São seis as instalações interativas desenvolvidas em colaboração com a SuperUber:

Instrumental: instrumentos indígenas, europeus e africanos, além de mini-vídeos.

Mesa de compor: experiência lúdica na qual os visitantes “compõem” de forma colaborativa, a partir de trechos pré-gravados, mexendo peças sobre a mesa. Desenvolvida em colaboração com o compositor Tim Rescala.

Mesa de Mix: visitantes customizam o volume de trilhas sonoras, para compreender como elas se somam para formar uma música. Elaborado a partir de um software do americano Stephen Malinowski.

Tempo: a primeira linha do tempo interativa da música brasileira, na forma de fichário infinito, que possibilita o acesso a informações e obras de compositores de todos os períodos e gêneros.

O time de especialistas envolvidos no projeto se completa com a arte-educadora Suely Avellar, que coordena o programa educativo da exposição, contribuindo para a reintrodução do ensino obrigatório da música no ensino básico. Ela organizará visitas guiadas por monitores para grupos de estudantes.

SERVIÇO
Local: CCBB BH
Endereço: Praça da liberdade, 450 - Funcionários - Belo Horizonte
Visitação: 22 de junho a 25 de julho
(de quarta a segunda, das 09h às 21h)
Entrada gratuita
Ficha Técnica
Concepção e curadoria: Rosana Lanzelotte
Pesquisa: Suely Avellar, Nívia Zumpan
Instalações digitais interativas: SuperUber e Bleech
Expografia: Susana Lacevitz (Cenografia.net)
Programa educativo: Suely Avellar
Identidade Visual e sinalização: 6D
Produção Executiva: Cintia Pereira
Produção Local: Janine Avelar

Fonte: SEC MG

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31