BRASIL, São Paulo - Mais de R$ 1 milhão foram doados para a restauração do projeto de iluminação do monumento histórico


Ara Pacis (Foto: Matteo Gebbia, Bvlgari)

O monumento e museu Ara Pacis brilha mais do que nunca depois do projeto de iluminação ter sido totalmente refeito. A atualização da iluminação envolveu a substituição das lâmpadas halógenas em todas as salas do museu por lâmpadas LED de nova geração. O sistema de iluminação dos espaços de exposição também foi melhorado com a instalação de novas luzes de trilhos, e mais pontos de iluminação e lâmpadas, todos alimentados pela tecnologia LED.

O projeto foi financiado por meio da iniciativa de patrocínio de Bvlgari com uma doação de R$782.400,00 e R$ 562.676,00 em fundos da Roma Capitale que cobriram a reforma do espaço de exposição da escada.

O objetivo principal da Superintendência Capitolina era melhorar a qualidade visual do monumento e a percepção de seus espaços arquitetônicos, sob a supervisão e direção artística do arquiteto que criou o complexo museológico, Richard Meier, que acompanhou, avaliou e validou este projeto de iluminação.

"Agradecemos mais uma vez a Bvlgari por sua contribuição à nossa cidade. Nos esforçamos para manter e realçar a beleza dos icônicos locais de Roma. Cuidar de nossa cidade é um grande compromisso que realizamos juntos e que nos ajuda a exaltar a beleza de nossa cidade e possível graças à valiosa contribuição de entidades privadas. Os museus reabriram com segurança há apenas uma semana, e hoje um símbolo importante para todos os cidadãos romanos, um patrimônio arquitetônico e cultural de valor inestimável, foi trazido à luz", declarou a Prefeita de Roma Virginia Raggi.

De acordo com Jean-Christophe Babin, CEO do Grupo Bvlgari: "Estamos orgulhosos de ter contribuído para este projeto, que combina maravilhosamente beleza e eficiência energética. Como joalheiros, estamos conscientes da importância da luz para realçar a beleza da natureza e os tesouros da história, como neste caso. A Bvlgari tem estado na vanguarda da preservação e da valorização do patrimônio artístico da capital há anos. Acreditamos firmemente na parceria entre os setores público e privado e estamos mais dispostos do que nunca a colaborar com as instituições para realizar novos projetos em conjunto, como uma homenagem à grandeza de Roma e sua cultura milenar".

O novo projeto de iluminação do Ara Pacis também representa um grande passo em frente em sustentabilidade e economia de energia, em conformidade com as recentes diretrizes européias - as novas lâmpadas reduziram o consumo de eletricidade em um sétimo, conseqüentemente reduzindo os custos de gerenciamento. A potência nominal do sistema de iluminação passou de 57 kW com lâmpadas halógenas para 8,4 kW com lâmpadas LED, reduzindo a carga elétrica em 85%.

Os custos de manutenção também foram minimizados, as novas lâmpadas de baixo consumo têm especificações muito técnicas tanto em termos do fluxo luminoso ao longo do tempo (90% do fluxo luminoso inicial é garantido em 50.000 horas), quanto em termos da integridade do sistema (apenas um LED por 1.000 instalado pode falhar em 50.000 horas de uso). Isto significa que o novo sistema de iluminação minimiza suas necessidades de manutenção durante todo o seu tempo de vida útil, mantendo ao mesmo tempo seu nível inicial de desempenho e eficiência ao longo do tempo.

As possibilidades técnicas do novo sistema são igualmente notáveis: agora é possível controlar o brilho selecionando diferentes "configurações" (dia e noite; diferentes estações; brilho), realçando a beleza e a visibilidade do altar que, encerrado em uma caixa de vidro e aço, reage à diferente luz do dia e à mudança de estações.

O projeto foi realizado utilizando luminárias da ERCO, uma empresa internacionalmente reconhecida por sua experiência em iluminação arquitetônica e artística.


Ara Pacis (Foto: Matteo Gebbia, Bvlgari)

A história do Ara Pacis
Oficialmente aberta em 30 de janeiro de 9 AC para celebrar a pacificação do Imperador Augusto de áreas e povos administrados por Roma, o Ara Pacis estava originalmente localizado ao longo da antiga Via Flaminia e sua frente principal olhava para o Campo Marzio, no meio do enorme espaço aberto onde tradicionalmente o exército fazia seus exercícios. Entretanto, a elevação do nível do terreno, a proximidade do rio Tibre e a intensa atividade de construção na área rapidamente causaram grandes danos à estrutura de mármore, que em apenas alguns séculos desapareceu no subsolo da cidade. A redescoberta dos primeiros blocos esculpidos remonta a 1568, sob o Palazzo Peretti na Via em Lucina, e outros achados vieram com outras escavações realizadas entre 1859 e o início dos anos 1900.

Os fragmentos que foram descobertos tornaram-se parte de várias coleções incluindo a Galeria Uffizi, o Louvre, Villa Medici e os Museus do Vaticano, e foi somente nos anos 1870 - graças a uma descoberta feita pelo arqueólogo alemão Friedrich von Duhn - que eles foram corretamente atribuídos ao altar agostiniano da paz. Uma vez estabelecido isso, projetos começaram a reconstruí-lo, mas foi somente em 1938 que o regime fascista decidiu que a Ara Pacis seria reconstruída ao lado do Mausoléu de Augusto, dentro de uma estrutura projetada pelo arquiteto Vittorio Ballio Morpurgo.

O Ara Pacis foi assim remontado em poucos meses no verão de 1938, enquanto em torno dele se ergueu a habitação que foi projetada para protegê-lo, o Mausoléu foi totalmente descoberto, e a nova Piazza Augusto Imperatore foi concluída.

O monumento foi oficialmente inaugurado em 23 de setembro de 1938, aninhado dentro de uma estrutura de vidro, mas logo foi estabelecido que isto não oferecia proteção suficiente. A restauração foi realizada pela primeira vez em 1970, e em 2000 foi aprovado um novo projeto de Richard Meier, com a inauguração do Museu Ara Pacis em 2006.

É neste novo museu que os frisos, entre os mais importantes feitos na primeira era imperial, continuam a celebrar hoje a família do primeiro imperador, os principais colégios sacerdotais de Roma, e os protetores divinos da Cidade Eterna.

Virginia Raggi, Prefeita de Roma, e Jean-Christophe Babin (Foto: Matteo Gebbia, Bvlgari)

Fonte: divulgação por e-mail

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31