RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - Um dos destaques turísticos da revitalização da zona portuária do Rio, região também conhecida como Porto Maravilha, o Museu do Amanhã, obra do arquiteto espanhol Santiago Calatrava, foi inaugurado nessa quinta-feira (17) pela presidenta da República, Dilma Rousseff. De acordo com a presidenta, o museu é um patrimônio histórico que em pouco tempo será também patrimônio histórico da humanidade.

“Este museu é um museu feito para o meu neto, para o neto de todos nós. Este museu é um museu para os nossos filhos e também feito para nós. Quando entrei na sala em que mostra o início do Universo, e a gente chega até a nossa situação, e a grande capacidade que nós temos, que é o pensamento, e, portanto, a nossa capacidade de criar cultura, o que nos distingue como humanidade, fiquei estarrecida com uma coisa: o tempo é muito curto e ao mesmo tempo é muito denso todos os conceitos que são externados, e aí fica claro o poder da arte”, afirmou.

Dilma disse ainda que se comoveu ao percorrer as instalações do museu, porque notou, ali, a competência de artistas brasileiros como Fernando Meirelles, diretor do filme de realidade virtual exibido no Portal Cósmico, a quem saudou. A presidenta ressaltou que o espaço, que também vai discutir a preservação do planeta, foi inaugurado pouco tempo depois em que foi assinado o acordo global do clima, a COP21, semana passada em Paris. “Este é um museu que está plenamente no ritmo do que deve ser o amanhã”, disse.

Para Dilma Rousseff, o Museu do Amanhã vai transformar a região portuária da capital fluminense em um grande local para expressar a história do país. “O Rio tem a trajetória da nossa vida política também e ela deve ser preservada”. A presidenta elogiou o prefeito Eduardo Paes que, segundo ela, tem uma enorme capacidade de trabalho e boas ideias. “Você mostra aqui uma competência especial e um talento para transformar uma cidade que você ama”, afirmou.

Após Dilma deixar o local, o prefeito Eduardo Paes disse à imprensa que a presidenta está feliz com a decisão do Supremo Tribunal Federal sobre o rito do processo de impeachment contra ela. Para Paes, a decisão do Tribunal acalma um pouco o processo político. “A política brasileira precisa dialogar. Em Brasília, principalmente, o grau de radicalização de conflitos está muito acima daquilo que é aceitável. Isso prejudica o país. Se a gente já vive uma situação de dificuldade econômica, essa dificuldade econômica é muito agravada por esta crise política. Acho que se botou um pouco de água na fervura hoje”.

O arquiteto espanhol Santiago Calatrava, que assinou o projeto, espera que os cariocas tomem o museu como seu e que realmente ele sirva não apenas às gerações atuais, mas as que estão por vir. Ele revelou que, visitando o Rio com a família, o filho disse ser a capital fluminense a cidade mais linda do mundo. “Meu filho crê, e isto é mais importante que eu, e creio que ele tem mais critério do que eu”, comentou sorrindo.

O Museu do Amanhã estará aberto ao público a partir deste sábado (19), quando ocorrerá o Viradão do Amanhã, uma programação com 36 horas de atividades das 10h de sábado às 18h de domingo (20). Entre as apresentações estão o cantor Diogo Nogueira, o bandolinista Hamilton de Holanda e a Orquestra Sinfônica Brasileira. A entrada é gratuita.

Fonte: Agência Brasil - Cristina Indio do Brasil

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 18/12/2015 às 07:50hs - 40 visitas até 16/05/2016 ) 

RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - Segundo negro a presidir a Academia Brasileira de Letras (ABL) – o primeiro foi o cofundador da instituição, Machado de Assis - o professor e escritor Domício Proença Filho foi empossado no final da tarde de ontem (17) no cargo que vai exercer até o final de 2016. Ele substitui o poeta, ensaísta, crítico literário e tradutor Geraldo Holanda Cavalcanti, que dirigiu a ABL nas duas últimas gestões.

Durante a cerimônia no Petit Trianon, sede da academia, no centro do Rio, foram empossados os demais membros da diretoria eleita no último dia 3, por unanimidade, e que tem duas mulheres, ambas ex-presidentes da Casa: as escritoras Nélida Piñon, secretária-geral, e Ana Maria Machado, primeira-secretária. Os demais integrantes são os acadêmicos Merval Pereira, segundo-secretário, e Marco Lucchesi, tesoureiro.

No discurso de posse, Domício Proença Filho declarou sua preocupação com o combate ao racismo. “A Casa de Machado de Assis, uma vez mais, situa claramente o seu posicionamento, em termos de nossa contingência comunitária. Não nos esqueçam os tempos fundadores de Joaquim Nabuco e de Machado de Assis, a ação pioneira de Afonso Arinos. Entendo, a propósito, que, na realidade brasileira, respeitadas as opiniões em contrário, o núcleo de preocupação deve ser o combate contínuo e vigoroso ao racismo”, disse o novo presidente da ABL.

Domício Proença Filho também ressaltou as dificuldades vividas pelo país, em função da grave crise econômica. “ Somos a diretoria da crise. Árduo será o percurso. No traçado do rumo, buscaremos manter a atitude rotineira e a velocidade de cruzeiro alertas ao aviso de apertar o cinto aos primeiros sinais de turbulência”.

Outro ponto enfatizado pelo novo presidente foi o papel da ABL de guardiã do idioma como principal meio de comunicação do país. “A língua e a literatura exigem, mais do que nunca, o bom combate. Em especial a arte literária. A tal ponto que se faz oportuno e pertinente reafirmar a sua importância. Entre outros aspectos, lembrar que o convício com o texto literário ajuda as pessoas a organizar o seu universo cultural”, disse.

Autor de 65 livros, entre obras didáticas, de crítica e ensaio, poesia e ficção, Domício Proença Filho viveu sua infância e adolescência na Ilha de Paquetá, onde fêz o curso primário em uma escola pública. Depois, cursou o ginasial e o clássico no Colégio Pedro II e se formou em Letras Neolatinas pela Faculdade Nacional de Filosofia, da então Universidade do Brasil, hoje UFRJ.

Professor emérito e titular da cadeira de literatura brasileira na Universidade Federal Fluminense (UFF), hoje aposentado, Proença Filho lecionou ainda em outras universidades cariocas e ministrou cursos de literatura brasileira em universidades estrangeiras. Também produziu programas para o Serviço de Radiodifusão Educativa do Ministério da Educação (MEC) e criou projetos culturais, como a Bienal Nestlé de Literatura.

Na ABL, ocupa a cadeira 28, para a qual foi eleito em 2006, sucedendo ao acadêmico Oscar Dias Corrêa.

Fonte: Agência Brasil - Paulo Virgílio

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 18/12/2015 às 06:51hs - 35 visitas até 16/05/2016 ) 

RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - A Arte não para. Em todo o Brasil, independentemente do contexto econômico ou político, as pessoas continuam criando arte, consumindo arte e cultura, se reunindo, no mundo real ou virtual, para ver, ouvir e experimentar estas iniciativas. E é por isso que a Oi não para de investir na produção artística. Com o Programa Oi de Patrocínios Culturais Incentivados, apoia projetos nas mais diversas regiões do País e nas mais variadas áreas artísticas, reafirmando anualmente, em Edital Público, seu compromisso com a cultura.

Esse apoio tem se concretizado por meio da seleção de projetos culturais em duas linhas de investimento. A primeira delas corresponde à Seleção Nacional de Projetos Culturais 2015/2016, voltada a projetos, inscritos por pessoas jurídicas, apoiados por Leis Estaduais de Incentivo à Cultura em todo o Brasil. Já a segunda é a Seleção da Programação dos Centros Culturais Oi Futuro 2015/2016, localizados na cidade do Rio de Janeiro, para projetos inscritos por pessoas jurídicas na Lei Estadual de Incentivo à Cultura do estado, que se identifiquem com perfil curatorial dos espaços. Na última sexta-feira, dia 11 de dezembro, a Oi e o Oi Futuro abriram a 13ª edição do Programa Oi de Patrocínios Culturais Incentivados.

As inscrições podem ser feitas até o dia 21 de janeiro às 17h, horário de Brasília.

O edital busca estimular novas linguagens artísticas, apoiando criações que proponham e promovam o cruzamento entre arte, ciência e tecnologia, e a convergência de meios e de suportes. E reconhecer e valorizar a diversidade cultural brasileira e democratizar o acesso à cultura.

Este ano, além de enfatizar o uso inovador da tecnologia nas suas variadas possibilidades e convidar artistas e criadores a desenvolver e disponibilizar conteúdos digitais para promover uma circulação ainda mais abrangente da produção cultural brasileira, a Oi e o Oi Futuro buscam atrair iniciativas que incluam a conexão, interatividade, e produção colaborativa de conteúdo.

Fonte: Oi Futuro

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 17/12/2015 às 20:38hs - 74 visitas até 16/05/2016 )

BAHIA, Salvador - Nesta quinta-feira (17), às 17h, o Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM-BA) abre a Capela para a abertura da exposição e lançamento do livro Flor de São Miguel, de Hansen Bahia, publicado pela Fundação que leva o nome do artista. Serão expostas 18 obras do gravurista alemão naturalizado baiano, sendo 16 gravuras e 02 matrizes e, além da realização de projeção de vídeo, também compõem a mostra “Flor de São Miguel”quatro publicações do acervo e documentos de Hansen.

A Fundação Hansen Bahia é uma das 15 instituições apoiadas pelo Programa de Ações Continuadas de Instituições Culturais, uma iniciativa da Secretaria de Cultura da Bahia (SecultBA), com recursos do Fundo de Cultura do Estado da Bahia e, em parceria com a Assembleia Legislativa do Estado da Bahia (ALBA), publica uma releitura de três publicações do livro “Flor de São Miguel”, datadas da década de 50, por três diferentes editoras baianas.

“Esta publicação tem como finalidade ampliar a divulgação sobre um dos artistas visuais mais importantes do século XX. Os textos são de diversos autores, entre eles, o próprio Hansen e Jorge Amado, no texto de abertura. O leitor verá gravuras que tem um traço específico o que designa as características de Hansen. Além dessa característica técnica, a publicação também mostra um pouco das opiniões de jornalistas e críticos sobre a trajetória do artista”, diz o curador do acervo e museólogo da Fundação Hansen Bahia, Jomar Lima.

No dia do lançamento, serão distribuídos alguns exemplares da publicação. A exposição fica em cartaz até o dia 21 de fevereiro de 2016.

Hansen Bahia (Karl Heinz Hansen)
Nascido em Hamburgo em 1915, o marinheiro, escultor, pintor e cineasta, alistou-se na Marinha Alemã e participou da II Grande Guerra. Ao término do episódio bélico, Hansen inicia sua vocação: trabalhar a madeira para reproduzir xilogravuras. Viajou e descobriu o Brasil no final da década de 1950. Primeiro trabalhou na Companhia Melhoramentos, em São Paulo, depois veio para a Bahia, em 1955, onde inicia uma série de gravuras chamada “Flor de São Miguel” com o apoio do escritor Jorge Amado, seu eterno amigo. Volta para Europa, produz mais xilogravuras dentro de um castelo, e depois vai para Adis Abebe, na Etiópia, ensinar a arte da gravura. Em terras baianas se naturalizou e recebeu o nome de Hansen Bahia. Estabelecendo-se em São Felix, no Recôncavo Baiano, no início da década de 70. Em 19 de abril de 1978, data de seu aniversário, inaugurou na cidade de Cachoeira a sede provisória de sua Fundação na casa natal de Anna Nery. Pouco tempo depois, faleceu aos 63 anos de idade. Realizou inúmeros trabalhos, entre eles, as ilustrações para as obras de Jorge Amado, Castro Alves, François Villon, Bertolt Brecht e outros.

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA)
Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais.

Serviço:
Exposição e lançamento do livro “Flor de São Miguel”

Abertura: 17 de dezembro às 17h
Visitação: 18 de dezembro 2015 a 21 de fevereiro.

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 17/12/2015 às 20:45 hs - 74 visitas até 16/05/2016 )

SANTA CATARINA, Florianópolis - De 16 a 23 de dezembro, o Museu Histórico de Santa Catarina, espaço administrado pela Fundação Catarinense de Cultura (FCC) no Palácio Cruz e Sousa, será palco do Palácio de Natal. A iniciativa do Sebrae-SC e do Instituto de Geração de Oportunidades de Florianópolis (IGEOF), com apoio da FCC e da Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte (SOL), tem como objetivo resgatar a tradição e a cultura local, por meio da valorização de artesãos, artistas e grupos folclóricos da região.

Além da realização da Feira de Artesanato, com a participação de mais de 20 expositores, Mestres Artesãos receberão os públicos infantil e adulto para oficinas temáticas de produção de cartões de natal, origami, renda de bilro, entre outros fazeres.

A Vila do Papai Noel, montada na parte externa do Palácio Cruz e Sousa, conta também com uma minipraça de alimentação e será palco para apresentações e performances diversas, como corais, bandas e grupos de dança.

Participam como apoiadores da iniciativa a Secretaria da Cultura e a Fundação Franklin Cascaes, Marc’s Bijoux, Museu Histórico de Santa Catarina, Fundação Catarinense de Cultura, Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte (SOL), Outlet Móveis e Decorações e a Liga das Escolas de Samba de Florianópolis.

Confira a programação de shows:
Dia 16/12:
18h: Banda Jurerê Jazz
Dia 17/12:
15h: Coro Vozes do Divino - IDES Pró Menor
Dia 18/12:
18h: Escola de Samba Os Protegidos da Princesa
19h: Associação Folclórica do Pantanal
Dia 19/12:
18h: Banda do Papai Noel
Dia 20/12:
18h: Escola de Samba Dascuia
Dia 21/12:
15h: Banda de música da 14ª Brigada de Infantaria Motorizada
18h: Escola de Samba União da Ilha da Magia
Dia 22/12:
18h: Show de Mágica
Dia 23/12:
18h: Escola de Samba Embaixada Copa Lord

Fonte: FCC

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 17/12/2015 às 20:35hs -  58 visitas até 16/05/2016 ) 

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31