SÃO PAULO, São Paulo - Convênio vai garantir celeridade aos esforços iniciais para a continuidade das obras de restauro

Trinta dias depois do incêndio, o governador Geraldo Alckmin recebeu na tarde da última quinta-feira, 21, Nelson Savioli e Luiz Henrique Cordeiro, da Fundação Roberto Marinho e Luiz Bloch, da organização social ID Brasil para assinatura de um convênio, por meio da Secretaria da Cultura, visando ao restauro da Estação da Luz e reconstrução do Museu da Língua Portuguesa. A Fundação Roberto Marinho foi a responsável pela implantação original do Museu da Língua, em 2006, também mediante convênio com o Estado de São Paulo.

“Nós assinamos hoje um convênio com a Fundação Roberto Marinho que vai nos ajudar a liderar esse trabalho de reconstrução do Museu. Quero destacar que em tempo recorde, 30 dias, nós estamos com 90% da área liberada e, agora, com esse convênio conseguiremos realizar o trabalho o mais rápido possível”, esclareceu o governador Alckmin, após o encontro realizado no Palácio dos Bandeirantes. 

O atual acordo estabelece que a Fundação Roberto Marinho será a responsável pela execução das obras de reconstrução, restauro e reinstalação do museu, inclusive com revisões museográficas, com colaboração da Secretaria da Cultura do Estado e da ID Brasil, responsável pelo gerenciamento do Museu. A proposta é tomar como base o projeto arquitetônico que orientou o restauro de 2006, com os ajustes necessários para atualização. A exposição original, baseada em recursos de multimídia, está totalmente preservada em um datacenter e será aprimorada.

O convênio vai garantir celeridade aos esforços iniciais para a continuidade das obras de restauro, que serão alavancadas com a indenização do seguro, já que o edifício tinha apólice contra incêndio no valor total de R$ 45 milhões. A seguradora já vistoriou o local e está analisando o valor final do prêmio. Além disso, a Secretaria também articulará outros parceiros e patrocinadores que já demonstraram interesse em apoiar a recuperação do Museu da Língua Portuguesa.

O trabalho, no entanto, já começou. Menos de 48 horas após o incêndio tiveram início serviços emergenciais com foco inicialmente na liberação das quatro plataformas da Estação da Luz da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Com orientação do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), as paredes do terceiro pavimento foram escoradas para garantir a estabilidade necessária à passagem dos trens e à segurança dos passageiros na área de embarque.

Mesmo com a liberação das plataformas, as obras não pararam: desde então, está sendo feita a retirada de entulho e limpeza das lajes, o que já possibilita avaliações técnicas mais acuradas para orientação do trabalho de restauro. Nos próximos dias, será entregue o laudo mais aprofundado indicando quais os impactos do incêndio à estrutura do edifício. Também foi apresentado o projeto de proteção das lajes para cobertura temporária do imóvel durante os trabalhos, protegendo-o contra infiltração de água de chuva.

Enquanto a obra acontece, o Museu da Língua Portuguesa continuará desenvolvendo suas atividades em outros espaços, fazendo jus à proposta que lhe deu origem: seu acervo é a língua viva, falada por todos os povos de lusófanos, nos seus mais variados sotaques e evoluções. Estão sendo planejadas exposições itinerantes pelo interior, fortalecimento da plataforma educativa online e outras ações para o público da capital.

 

Fonte: SEC SP

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 26/01/2016 - 7 visitas até 10:16h)

RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - O decreto publicado nesta segunda-feira (25/01) no Diário Oficial do Município altera o artigo 1º do decreto 39.749, de 12 de janeiro de 2015, tombando definitivamente o conjunto arquitetônico do Edifício Fernando Serrador.

O bem tombado corresponde ao número 14 da Rua Senador Dantas e a todo o conjunto arquitetônico na quadra formada pelas ruas Regis de Oliveira,Á lvaro Alvim, Senador Dantas, Santa Luzia e Praça Mahatma Gandhi, na Cinelândia.

Espanhol de Valência, Francisco Serrador Carbonell aportou em Santos, enriqueceu vendendo peixe em Curitiba e ganhou fama no Rio de Janeiro, onde ajudou a construir no início do século passado o mito da Cinelândia.

Sua memória ficou eternizada no arranha-céu inaugurado em 1944, três anos após sua morte. Batizado de Edifício Francisco Serrador, sede de um hotel do mesmo nome, o prédio de 23 andares viveu sua glória até a década de 60, hospedando políticos e atraindo celebridades para sua boate Night and Day.

 

Fonte: Prefeitura do RJ

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 26/01/2016 - 7 visitas até 10:14h)

PARANÁ, Curitiba - A Biblioteca Pública do Paraná recebe, a partir dessa segunda-feira, 25 de janeiro, a exposição “Indícios: o Paraná durante a II Guerra Mundial no acervo da polícia política”. A mostra reúne 9 painéis com imagens produzidas pela polícia política, ou apreendidas por ela, como provas de crime político. Além disso, um aparelho de TV exibirá um vídeo com breves biografias de pessoas detidas pelo Departamento de Ordem Política e Social (DOPS) e trechos de documentos produzidos pela polícia. A curadoria é do professor do curso de História, Memória e Imagem da Universidade Federal do Paraná (UFPR) Rodrigo Rodriguez Tavares. A exposição segue em cartaz no Hall Térreo até 28 de fevereiro. A entrada é franca.

Tavares afirma que “Indícios: o Paraná durante a II Guerra Mundial no acervo da polícia política” tem um diferencial: “O ineditismo do conjunto de fontes em uma exposição.” Durante 6 meses, Tavares e 14 alunos do curso de História, Memória e Imagem da UFPR realizaram pesquisas e discussões sobre um período importante da História do Brasil e do Paraná, a partir da documentação apreendida e produzida pela polícia política. “Trata-se de um trabalho que vai jogar luzes sobre um período turbulento, e recente, da nossa História”, diz Tavares.

Participaram do processo de pesquisa e elaboração da montagem os seguintes alunos do do curso de História, Memória e Imagem da UFPR: Alice Fernandes Freyesleben, André Gustavo Lescovitz Cunha, Beatriz Martins de Castro, Beatriz Robaina Virmond, Bruna Goncalves de Padua Reis, Carolina Elisabeth Goncalves Borges, Eloana Santos Chaves, Fabiane Miriam Furquim, Juliana Alves, Leonardo Miner Monente, Luanna Fernanda da Cruz Bach, Mariana Maximino, Yasmin Bassetti Kofanovski e Yris Alves Rosa.

Em março de 2015, Tavares também assinou a curadoria, em parceria com Magnus Pereira, da mostra “Mundos Novos Ilustrados”, com ilustrações dos livros de viagem científica do século XVIII, que seguiu em cartaz na BPP até 4 de maio.

Serviço

Exposição “Indícios: o Paraná durante a II Guerra Mundial no acervo da polícia política”

Hall térreo da Biblioteca Pública do Paraná (R. Cândido Lopes, 133 — Curitiba / PR)

Período expositivo: 25 de janeiro a 28 de fevereiro

Curadoria: Rodrigo Rodriguez Tavares

 

Fonte: BPP 

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 26/01/2016 - 8 visitas até 10:08h)

MINAS GERAIS, Belo Horizonte - Estão abertas até terça-feira, 2 de fevereiro, as inscrições para o mestrado em Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável, oferecido pela Escola de Arquitetura da UFMG.

O programa oferece 24 vagas para ingresso em 2016. A seleção é composta de prova, análise de currículo, avaliação de projeto e entrevista. Mais informações acerca do processo podem ser consultadas no edital da seleção.

O programa promove estudos aprofundados e pesquisas inovadoras que integram escalas diversas do ambiente construído como patrimônio, resgatando processos de interação com o ambiente natural e com a sociedade. O programa também desenvolve interfaces entre áreas distintas, como ciências sociais aplicadas, artes e engenharias, construindo ferramentas metodológicas e educacionais.

Dúvidas podem ser esclarecidas na secretaria do programa, pelo telefone (31) 3409-8874 ou pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Fonte: UFMG 

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 26/01/2016 - 7 visitas até 10:11h)

BAHIA, Salvador - O Museu Tempostal (Pelourinho) promove nos dias 29/01 e 30/01, às 14h, a “Oficina de Fotografia do Tempostal”. A atividade tem por objetivo apresentar conceitos básicos de linguagem e composição fotográfica, além de técnicas que permitam que o participante possa fotografar e aplicar efeitos da forma que achar mais interessante.

A oficina será ministrada pela professora Bartolimara Daltro, Museóloga formada pela UFBA e fotógrafa, e contará com um dia de atividades teóricas, 29/01, e um dia de atividades práticas, 30/01. Para participar não é necessário possuir uma câmera profissional; pessoas com máquinas pequenas e celulares poderão participar também. A inscrição é gratuita podendo ser feita até o dia 28/01 pelo email Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Serviço: Oficina de Fotografia do Tempostal

Data: 29/01 e 30/01

Horário: 14h

Endereço: Rua Gregório de Mattos, 33 - Pelourinho

Inscrição: gratuita pelo e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. 

 O Museu Tempostal integra a Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (DIMUS/IPAC), unidade vinculada a Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA).

 

Fonte: Secult BA

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 25/01/2016 - 9 visitas até 10:02h)

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30