SÃO PAULO, São Paulo - Apenas 51 anos após sua fundação, a Pinacoteca do Estado de São Paulo recebeu a primeira obra de um artista negro. O Autorretrato de Arthur Timótheo da Costa foi doado à instituição em 1956 e agora integra a mostra Territórios: Artistas Afrodescendentes no Acervo da Pinacoteca. A exposição faz parte das celebrações dos 110 anos do museu, e pode ser vista na Estação Pinacoteca, próxima a Estação Júlio Prestes, região central da capital paulista.

Segundo o curador Tadeu Chiarelli, a incorporação de trabalhos feitos por afrodescendentes ao acervo da Pinacoteca foi lenta. “A segunda [obra] chegou só nove anos depois. Um processo tímido. Daí a minha proposta de retomar as grandes contribuições da Pinacoteca para a historiografia da arte brasileira introduzida na gestão de Emanoel Araújo (1992 - 2002), primeiro diretor negro da Pinacoteca do Estado que fez importantes aquisições de obras de artistas afrodescendentes”, disse.

O próprio Araújo aparece na mostra com diversas obras na parte Matrizes Africanas. Os trabalhos dessa parte mostram influências das estéticas de culturas africanas, como as esculturas geométricas com cores chapadas de Rubem Valentim. No fundo da sala se destaca a escultura de Araújo, Tributo a Louise Nevelson. Como nos trabalhos da escultora ucraniana homenageada, a obra parece ter sido montada com peças de móveis e outros objetos de madeira.

Apesar das referências à temática negra em parte das obras, Chiarelli explica que o principal objetivo da mostra é apresentar trabalhos feitos por afrodescendentes a partir do valor estético. “É necessário pontuar, que temos no acervo da Pinacoteca centenas de obras que retratam os afrodescendentes, mas essa exposição vem para discutir um aspecto diferente, o da produção feita por artistas afrodescendentes”, enfatizou.

Nesse sentido, um dos destaque da ala Matrizes Contemporâneas é a Estrutura Dissipativa / Gangorra, de Rommulo Vieira Conceição. Como diz o nome, parte da obra é efetivamente uma gangorra semelhante as encontradas nos playgrounds infantis. Outros trabalhos, entretanto, apontam na direção da discussão da situação atual da população afrodescendente, como o Exôdo de Jaime Lauriano. Duas bandeiras negras sobrepostas, uma com a silhueta do mapa do Brasil e outra com um desenho da África feito com pemba branca, giz usado em rituais de umbanda.

Na parte chamada de Matrizes Ocidentais está a produção feita por afrodescendentes a partir do final do século 18. Integram esse conjunto obras que seguem as regras acadêmicas europeias. Podem ser vistos temas tradicionais como retratos, naturezas-mortas, paisagens e alegorias. Além de Arthur Timótheo, também podem ser vistas as pinturas e esboços de Miguelzinho Dutra, artista de influência barroca do interior paulista.

 

Fonte: Agência Brasil - Daniel Mello

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 10/01/2016 - 19 visitas até 12:53h)

RIO GRANDE DO SUL, Porto Alegre - Justiça Federal do RS seleciona projetos para novo espaço cultural em Porto Alegre

A Justiça Federal gaúcha está selecionando projetos para ocupação de um novo espaço destinado a manifestações culturais na capital. A partir da próxima segunda-feira (11/1) a 30 de março, interessados poderão apresentar propostas relacionadas a pintura, desenho, gravura, fotografia, novas linguagens e arte, além de lançamentos de livros e intervenções teatrais e/ou musicais.

As iniciativas devem estar de acordo com a temática a ser desenvolvida pelo Memorial da Justiça Federal do RS, que, no biênio 2016/2017, abordará o assunto Direitos Humanos. Com o objetivo de proporcionar espaço para reflexão sobre o tema e suas conexões com o cotidiano da sociedade, serão trabalhados quatro grandes eixos:

a) a construção social da homossexualidade, abordando a discriminação contra indivíduos baseada em sua orientação sexual e em sua identidade de gênero 2016/2, de agosto a outubro/2016;

b) cotas raciais e sociais, direito à inclusão, abordando a questão do racismo, discriminação, aceitação das diversidades e a percepção do outro em seu amplo aspecto 2016/3; de novembro 2016 a janeiro 2017;

c) agora sou brasileiro: identidades, migração e naturalização na Justiça Federal 2017/1, de março a julho/2017;

d) direito à saúde 2017/ 2, de agosto a dezembro/2017.

Outras informações podem ser obtidas no edital.

 

Fonte: JFRS

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 10/01/2016 - 17 visitas até 13:06h)

SÃO PAULO, São Paulo - A Mostra de Cinema Russo Contemporâneo chega à capital paulista em 14 de janeiro apresentando o período da Perestroika, que começou nos anos 80 e trouxe mudanças na estrutura econômica e social soviética, e a produção cinematográfica dos últimos 20 anos na Rússia. Além da programação de filmes, que serão exibidos no Caixa Belas Artes, haverá um ciclo de palestras com o crítico russo Andrey Plakhov.

Com curadoria de Maria Vragova e Luiz Gustavo Carvalho, a mostra exibe filmes relevantes para a história do cinema russo e também para a história do país, como Penitência, de Tenguiz Abuladze, considerado marco da Perestroika nas artes visuais; Garota Internacional, de Piotr Todorovskiy, um dos primeiros filmes a abordar o tema da prostituição na União Soviética; O Assassino do Czar, de Karen Shakhnazarov, que conta a verdadeira história do assassinato da família imperial russa e O Sol Enganador, de Nikita Mikhalkov, ganhador do Oscar de melhor filme estrangeiro em 1994.

Segundo Maria Vragova, que é russa e está há cinco anos no Brasil, o cinema russo, especialmente o contemporâneo, não é conhecido no Brasil e poucos filmes russos chegam no mercado cinematográfico brasileiro. “Esse ano, por exemplo, só chegou um, que foi O Leviatã, indicado ao Oscar”, lembrou. “A ideia é dar conhecimento à cultura cinematográfica russa contemporânea”, disse a curadora.

Vragova acredita que é importante mostrar os filmes desde a Perestroika até os dias atuais para que o público saiba um pouco sobre a Rússia, de sua cultura e da história dos últimos 25 anos depois da queda da União Soviética. “Sem entender o que aconteceu naquela época de mudanças, fica mais difícil entender o que está acontecendo hoje e porque está acontecendo”, completou.

A curadora destaca o chamado “cinema do autor”, que traria mais subjetividade e mais a personalidade do diretor para o filme, e cita exemplos desse segmento: Penitência e Mercadoria 200, de Alexei Balabanov.

“Alguns dos autores que estamos trazendo, como o Balabanov, é uma continuação do cinema de autor da Rússia. O cinema russo no mundo é muito conhecido como cinema de autor, não cinema de gênero. Então, o Balabanov é um seguidor do segmento e acho que a obra dele é muito importante tanto para a obra cinematográfica russa como para a mundial”, disse Vragova.

A série de palestras Aspectos do Cinema Russo contemporâneo, com o crítico Plakhov, acontece de 20 a 23 de janeiro e tem entrada gratuita. A mostra acontece de 14 a 27 de janeiro no cinema Caixa Belas Artes. Os ingressos custam R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). O ingresso que dá acesso a todas as sessões custa R$ 30.

 

Fonte: Agência Brasil - Camila Boehm

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 09/01/2016 - 28 visitas até 19:34h)

RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - A Secretaria de Estado de Transportes (Setrans) informou em nota na tarde deste sábado (9) que terá início a nova etapa de instalação da via permanente dos bondes de Santa Teresa.

Nesta segunda-feira (11), o trabalho será realizado na esquina entre as ruas Felício dos Santos e Almirante Alexandrino, altura da Praça Odylo Costa Neto. Para o avanço das obras, o trecho será interditado à circulação de veículos até o próximo sábado, dia 16. 

Com apoio da CET-Rio, as intervenções serão sinalizadas para evitar problemas aos pedestres e motoristas, mas não serão necessárias alterações viárias, nem de itinerários de ônibus. Técnicos da Setrans e operadores de trânsito serão enviados ao local para orientar os motoristas.

 

Fonte: Jornal do Brasil

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 09/01/2016 - 37 visitas até 19:31h)

RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - Os turistas que visitam o Pão de Açúcar neste sábado (9) conhecem um pouco mais sobre as belezas e os atrativos de cidades do interior do estado. A proposta da Secretaria de Estado de Turismo/TurisRio é levar às mais de 4,5 mil pessoas que passam pelo local diariamente informações sobre as centenas de programações e roteiros de viagens disponíveis a até três horas de distância da capital.

A ação, batizada como “Cidades Maravilhosas – Verão 2016”, faz parte do programa Rio+3. A cada semana, ao longo do mês de janeiro, será feita divulgação de um município diferente, começando por Niterói. 

Niterói vai levar para o Pão de Açúcar material de divulgação de suas belas praias, gastronomia e equipamentos culturais e históricos. O surf, esporte ícone da região oceânica, estará presente com atores caracterizados. Também haverá apresentação musical, levando para a Urca o samba e o batuque niteroienses. 

"Os finais de semana seguintes (16, 23 e 30) vão apresentar ao público as peculiaridades de Arraial do Cabo, Friburgo e Itatiaia. Temos que aproveitar a alta estação para dizer aos visitantes que nosso estado, além da belíssima capital, conta com diversos outros municípios, repletos de atrações, com qualidade e capacidade de atendimento da demanda", explica o secretário de Estado de Turismo, Nilo Sergio Felix.

 

Fonte: Jornal do Brasil

(Nota do editor: notícia originalmente publicada em 09/01/2016 - 38 visitas até 19:36h)

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31