DISTRITO FEDERAL, Brasília - Em parceria com comunidades detentoras, a ação visa promover bens registrados e produtos associados. A chamada pública para adesão segue aberta


Fonte: Iphan

Mestres e mestras do carimbó, produtores da viola-de-cocho e grupos do teatro de bonecos popular do Nordeste são alguns dos participantes da ação “Conectando Patrimônios: redes de artes e sabores”, lançada nesta quinta-feira, 18 de fevereiro. Realizada a partir da parceria entre o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e comunidades detentoras, a campanha visa à promoção do Patrimônio Cultural Imaterial, estimulando a venda de produtos relacionados a bens registrados em todo o Brasil.

Diante da situação de emergência em saúde pública decorrente da pandemia do novo coronavírus, shows, apresentações e todo tipo de evento tiveram de ser adiados. Isto impactou o cotidiano de festas e rituais realizados por grupos detentores de bens registrados como Patrimônio Cultural do Brasil. Neste cenário, essas comunidades buscaram alternativas para lidar com o isolamento social. O Ciclo do Marabaixo (AP), por exemplo, foi realizado por meio de lives; bailes do Fandango Caiçara tiveram transmissão on-line; e, em São Luís (MA), grupos do Bumba-meu-boi realizaram carreatas pela cidade.

Com o objetivo de criar um espaço de visibilidade para detentores e suas respectivas manifestações culturais, a ação vai apresentar coletivos de detentores de vários estados com os seus respectivos contatos de telefone e redes sociais, que ficarão reunidos no site da campanha. Quem se interessar, poderá entrar nas páginas virtuais dos coletivos e adquirir produtos desses grupos, como gêneros alimentícios e biojóias produzidas por indígenas do Sistema Agrícola Tradicional do Rio Negro (AM) e os livretos de artistas da Literatura de Cordel (DF). A compra, o pagamento e a entrega dos artigos são realizadas diretamente entre o detentor e o comprador.

“O Iphan entendeu a necessidade de ações emergenciais, dentro da política de salvaguarda, para promover e visibilizar o Patrimônio Cultural Imaterial. Nesse projeto, somos mediadores entre detentores e o público em geral”, explicou a presidente do Iphan, Larissa Peixoto. “Dar visibilidade a práticas e saberes de mestres de todo o Brasil é, também, garantir a preservação do Patrimônio Cultural e, principalmente nesse momento de pandemia, estimular a qualidade de vida e a inclusão social.”

Visando promover a sustentabilidade de bens registrados como Patrimônio Cultural, a campanha é uma ação de salvaguarda inserida no Programa Nacional do Patrimônio Imaterial que, em 2020, completou 20 anos de criação.

“É uma ação que, ao reunir detentores, promove saberes e práticas realizadas em todo o Brasil. E mostra à sociedade a importância da herança cultural intangível”, avalia o diretor do Departamento do Patrimônio Imaterial (DPI), Tassos Lycurgo. “Uma das principais dimensões da campanha é apoiar a sustentabilidade das manifestações. Falamos do fortalecimento socioeconômico das comunidades para garantir a continuidade daquilo que é a história, a cultura e a identidade brasileiras.”

Para viabilizar o Conectando Patrimônios, as superintendências do Iphan nos estados mobilizaram coletivos de detentores que participam da ação. Mas a chamada continua. Os grupos que tiverem interesse em participar devem entrar em contato com a superintendência do Iphan no seu estado, que dará os detalhes sobre como aderir à ação.


Fonte: Iphan

Serviço
Ação “Conectando Patrimônios: redes de artes e sabores”
Lançamento: 18 de fevereiro de 2021
Endereço: portal.iphan.gov.br/conectapatrimonios

Fonte: Iphan

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31