RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - Mariana Pontim, do Setor de Documentação do MIS-RJ, conta como tem sido organizar a identificação dos quase 300 mil itens do museu para facilitar consultas e divulgar conhecimento


Mariana Pontim, do Setor de Documentação do MIS-RJ, na sede do museu, na Lapa. Crédito: Gui Maia/SECECRJ

Como o Setor de Documentação do MIS se organiza e está integrado com os demais?
O Setor tem uma relação transversal com os demais setores do museu, permitindo um acesso mais amigável e organizado para os pesquisadores e profissionais da instituição. Somos responsáveis pela disponibilização do conteúdo no Banco de Dados. Conteúdo este, proveniente dos setores, onde os documentos são organizados e trabalhados, sob os cuidados e orientações da Gerência de Acervo. O Banco de Dados abrange 28 das 35 coleções do MIS. São quase 300 mil itens que estão disponíveis para consulta nos terminais de computador e no Centro de Pesquisa Ricardo Cravo Albin. A partir deles, é possível não só pesquisar por tema, autoria, título etc., em função dos seus diversos campos, como cruzar informações e produzir relatórios. Estamos envolvidos também com o trabalho de “limpeza”, digamos assim, desse conteúdo, trabalhando para o aprimoramento das listas, nomes e do vocabulário controlado. Tudo para facilitar a vida e a consulta do nosso público.

O que falta para as outras sete coleções serem integradas no Banco de Dados?
Algumas estão ainda em tratamento, outras foram adquiridas recentemente. A do Paulo Tapajós, por exemplo, foi iniciado no dia 23 o seu processo de arrolamento. É bem volumosa, com diversos suportes. A do José Wilker, composta majoritariamente por livros, é a mais recente coleção, está em comodato com o MIS, e já está disponível para consulta no SISGAM (Sistema de Gerenciamento de Acervos Museológico), que é a plataforma de gestão e registro de acervos dos Museus do Estado do Rio de Janeiro, vinculados à REDE WEB DE MUSEUS. Depois integrará o Banco de Dados do MIS, que está em processo de reformulação. É uma dinâmica normal dos museus.

Como é o critério de classificação das peças?
Como todo museu, o MIS tem seu Plano Museológico que vai nortear suas ações, inclusive para as doações. Esse plano vai nortear a averiguação do que está sendo oferecido e do que o MIS vai buscar. Então, não é de forma aleatória que avaliamos. Com a doação, começa o tratamento do bem cultural musealizado. Cada item vai passar por triagem, seleção, documentação, arrolamento e catalogação. Enfim, um trabalho muito técnico para que as peças sejam organizadas e disponibilizadas para o público. Pode ocorrer de recebermos peças que fogem do plano e nesses casos indicamos um destino mais apropriado. Mas não são decisões pontuais, porque é fundamental manter a integridade da coleção para se preservar o pensamento e a formação cultural e intelectual daquele que a construiu.

Anteriormente o setor se chamava Banco de Dados e mudou para Setor de Documentação. Foi uma mera formalidade ou alterou a finalidade dele?
A atual gestão tomou uma sábia decisão. De fato, há um lado formal, pois Banco de Dados dá uma ideia de TI, o que não é o caso, mas ao mesmo tempo o setor ganhou uma dinâmica nova com maior ênfase no trabalho de pesquisa. Estamos subsidiando mais os projetos da Casa. A Comunicação está trabalhando muito com conteúdos para as redes sociais, que procuramos fornecer. Também com a Gerência de Produção temos uma interação maior, além da Gerência de Acervo, que sempre foi constante. Toda informação produzida pelo MIS é embasada. Estamos produzindo muito para a Radio MIS RJ, uma criação da atual gestão do jornalista Cesar Miranda Ribeiro, e com as lives. Fazemos parcerias com outras instituições, produção de documentário e de exposição, por exemplo. Há um foco maior, de forma geral, na realização das pesquisas com o objetivo de divulgar melhor o acervo. Houve uma valorização da produção interna de conhecimento pelo próprio MIS. Assim, cumprimos melhor nossa missão pedagógica de formação cultural da sociedade.

Qual é o retorno que estão tendo desse trabalho?
O retorno é maravilhoso e surpreendente. Tivemos, por exemplo, a ideia de fazer uma postagem sobre a cantora Linda Batista, que dá nome a uma de nossas coleções, com mais de 2 mil itens. Acabou gerando a atenção dos fã-clubes das cantoras da época de ouro do rádio. Então o fã clube da Marlene compartilhou e marcou o da Linda Batista. Nisso, já surgiu a ideia de uma realizar uma live reunindo os fãs clubes das cantoras do rádio. Tem tudo a ver com o acervo do MIS, que salvaguarda a coleção da Rádio Nacional. Uma das coisas mais fascinantes foi a criação da Rádio MIS, que caiu como uma luva porque temos um acervo que mostra a história da radiodifusão no Brasil. Temos mais de oito mil programas de rádio, incluindo o roteiro, a sonora, as fotografias e até as cartas dos ouvintes. O Edgar de Alencar, um crítico musical, disse no dia do lançamento dos dois primeiros discos com o selo MIS – um de Noel Rosa e outro de Carmen Miranda – no final de 1965 o seguinte: “O MIS não pode ser um sarcófago de múmias, mas um museu que pretende ser dinâmico na proclamação dos valores de ontem e de hoje”. A rádio realiza esse preceito. Através dela, tivemos contato com um senhor, o professor Rosaldo Queiroz que, após ouvir os episódios sobre o Lamartine Babo, inaugurador do programa “Frequência MIS”, entrou em contato com o Museu e doou o LP “O Carnaval de Lamartine”, que pertencera a seu pai, e possui dedicatória de Lamartine para o radialista Heber de Bôscoli. Os dois junto à atriz Yara Salles protagonizaram o “Trem da Alegria”, um dos programas mais duradouros da história do rádio. A doação está registrada em depoimento do professor ao Pedro Dias, responsável pelo setor sonoro da instituição. Aliás, Pedro e Aline Soares (responsável pelos setores Educativo e Institucional) apresentam o “Frequência MIS”, onde eu apareço no último episódio revelando os dados e destaques do homenageado no acervo do MIS. Está sendo muito enriquecedor participar subsidiando esse projeto. Estamos preparando mais novidades.

Fonte: SECEC RJ

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30