RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - Cultuado diretor é alvo de importante retrospectiva no CCBB Rio de Janeiro a partir de 5 de janeiro

Atividades paralelas com debate, palestra, aula magna e sessões de acessibilidade estão na extensa grade de programação

O CCBB Rio de Janeiro começará o ano de 2022 com um petardo cinematográfico: de 5 a 31 de janeiro a mostra Terry Gilliam – o oníricoanarquista ocupará o Cinema I, sendo esta a mais abrangente retrospectiva realizada no Brasil sobre o diretor, ator e animador americano naturalizado inglês, e que integrou o importante grupo de humor Monty Python. Além das 28 produções em sessões presenciais, em formato digital, também acontecerão atividades paralelas em formato on-line, e a exibição on-line de 3 filmes, sendo 2 deles com recursos de acessibilidade – toda a programação será gratuita. Ainda este ano mostra acontecerá também nas unidades do CCBB de São Paulo e Brasília.

Sob curadoria do diretor, produtor, roteirista, escritor e crítico de cinema Eduardo Reginato e do cineasta e editor Christian Caselli, amostra vai contar a história cinematográfica de Terry Gilliam, de 81 anos - um panorama fidedigno pelo olhar de icônicos filmes como “Brazil – o Filme” (1985), “Os doze Macacos” (1995) e “Monty Python em Busca do Cálice Sagrado” (1975), que se juntam aos curtas “Storytime” (1968), “O Milagre do Vôo” (1975) e “The Wholly Family” (2011), entre outros. Documentários assinados por diferentes diretores sobre Terry Giliam completam a programação. A mostra traz ainda um catálogo especial onde cada autor escreveu um texto por filme –a publicação será a primeira no Brasil em língua portuguesa, e estará disponível gratuitamente para download em blgentretenimento.com.br/terrygilliamrj. A programação será disponibilizada em

Sob curadoria do diretor, produtor, roteirista, escritor e crítico de cinema Eduardo Reginato e do cineasta e editor Christian Caselli, amostra vai contar a história cinematográfica de Terry Gilliam, de 81 anos - um panorama fidedigno pelo olhar de icônicos filmes como “Brazil – o Filme” (1985), “Os doze Macacos” (1995) e “Monty Python em Busca do Cálice Sagrado” (1975), que se juntam aos curtas “Storytime” (1968), “O Milagre do Vôo” (1975) e “The Wholly Family” (2011), entre outros. Documentários assinados por diferentes diretores sobre Terry Giliam completam a programação. A mostra traz ainda um catálogo especial onde cada autor escreveu um texto por filme – a publicação será a primeira no Brasil em língua portuguesa, e estará disponível gratuitamente para download em blgentretenimento.com.br/terrygilliamrj. A programação será disponibilizada em https://ccbb.com.br/rio-de-janeiro. A produção é da BLG Entretenimento.

Terry Gilliam é um dos mais cultuados criadores de sonhos e pesadelos no mundo do cinema, uma lenda da cultura pop, um dos realizadores cinematográficos mais cultuados desde o início dos anos 1980, um dos mestres da animação experimental desde o final dos anos 1960 e, por fim, um dos integrantes – o único americano – do grupo inglês de humor Monty Python. Seu trabalho é uma visão assustadora, hilária, dramática, poética e arrebatadora de um mundo carregado de realismo fantástico, flanando entre distopias, loucura, poesia, amor e destruição.

Segundo Eduardo Reginato, Gilliam é fascinado pelo período Barroco por conta da pronunciada luta entre espiritualidade e ecletismo dicotômico. A partir disso, seu cinema é dado a justaposições incongruentes de beleza e fealdade ou antiguidade e modernidade. “Os filmes de Gilliam têm uma aparência distinta, não apenas em mise-em-scène, mas ainda na fotografia para criar uma atmosfera surreal de inquietação psicológica e um mundo fora de equilíbrio, sendo frequentemente usados ângulos incomuns de câmera. O famoso crítico americano Roger Ebert disse que o mundo de Gilliam é sempre alucinatório em sua riqueza de detalhes", explica.

As influências barrocas não são apenas teóricas; o cinema de Terry Gilliam é o cinema do gigantismo. “São imensos cenários, uma arquitetura abrangente, decadente e opressora, são essas as representações fílmicas de Gillian: dos sistemas infinitos e burocráticos, das instituições que aniquilam a liberdade do indivíduo, mas onde o indivíduo ainda tem uma última possibilidade de sonhar ou lutar tentando destruir um sistema autocrático”, diz Christian Caselli.


Cena do filme 'Os Doze Macacos' (reprodução)

ATIVIDADES PARALELAS ON-LINE
TERRY GILLIAM – O ONÍRICO ANARQUISTA

Palestra
A ANIMAÇÃO DE TERRY GILLIAM
Professor: Christian Caselli
Data e horário: 15 de janeiro, às 15h
Carga horária: 90 minutos
Classificação indicativa 14 anos
Evento gratuito e on-line.
Inscrições a partir de 5 de janeiro pela plataforma Sympla: sympla.com.br/produtor/blgentretenimento
Sinopse:
O curador da mostra Christian Caselli abordará sobre esta importante vertente da fase inicial da carreira do cineasta, que foi fundamental para a construção de seu estilo futuro. Será esmiuçado como ele desenvolvia suas animações através de técnicas mistas (colagens e desenho animado) e a importância que este período teve para criar a identidade visual e conceitual do grupo Monty Python.

Debate
MOINHOS OU GIGANTES: A GRANDILOQUÊNCIA NA OBRA DE TERRY GILLIAM E OUTROS CINEASTAS
Mediação: Eduardo Reginato
Debatedores: O professor e crítico de cinema Luiz Carlos Oliveira Jr. e o crítico de cinema Sérgio Alpendre
Data e horário: 22 de janeiro, às 19h30
Carga horária: 90 minutos
Classificação indicativa livre
Evento gratuito e on-line.
Exibição via canal do Youtube do Banco do Brasil
Sinopse:
"Gigantismo" é um termo muito usado por críticos e estudiosos de cinema para denominar determinadas produções cinematográficas que se destacaram positivamente ou negativamente pela grandiloquência de sua realização. Por exemplo, Terry Gilliam mandou construir cenários monumentais e minuciosamente detalhados nos estúdios da Cinecittà baseados na arquitetura do Oriente Antigo e da Europa do séc. XIX para o filme As Aventuras do Barão de Munchausen. Não só Gilliam é adepto do "gigantismo". Cineastas como Jacques Tati que construiu uma cidade funcional inteira para o filme "Playtime" e ou o diretor Victor Fleming que utilizou 1500 figurantes e mais 1000 manequins em uma cena de E o vento levou... para simular a devastação da guerra cívil americana. O time não para, Abel Gance, D. W. Griffith, Charles Chaplin, Francis Ford Coppola, James Cameron, são outros que veem gigantes no lugar de moinhos tal como Terry Gilliam.

Aula Magna
AS INFLUÊNCIAS E REFERÊNCIAS NA OBRA DE TERRY GILLIAM
Professor: Braulio Tavares
Data e horário: 29 de janeiro, às 15h
Carga horária: 2 horas
Evento gratuito e on-line.
Inscrições a partir de 5 de janeiro pela plataforma Sympla: sympla.com.br/produtor/blgentretenimento
Sinopse:
O tema proposto é a relação da obra de Terry Gilliam com o barroco, gótico, os elementos alegóricos e o realismo fantástico encontrados em seus filmes.

Filme com exibição on-line: Brazil, o filme
Disponível on-line de 21 de janeiro, às 13h, até 24 de janeiro, às 23h59.
O acesso é gratuito via plataforma Wurlak.com.br.
Os interessados deverão se cadastrar, sem custo, para poder conferir o filme.
Aqueles que optarem por assistir via smartphone ou tablet, o recomendado é que faça download do aplicativo do serviço de streaming, que está disponível nas versões para IOS e Android.

Brazil – o Filme
Brazil, 1985, ING/EUA, 122min, cor
Direção: Terry Gilliam
Elenco: Jonathan Pryce, Kim Greist, Michael Palin
Sinopse: Sam Lowry é um pacato funcionário público que vive num Estado totalitário controlado pelos computadores e pela burocracia. Em meio à opressão, Sam acaba se apaixonando pela “mulher de seus sonhos”que, na verdade, é uma terrorista. Classificação: 14 anos.

Filmes com recursos de acessibilidade
AS AVENTURAS DO BARÃO DE MÜNCHAUSEN e OS IRMÃOS GRIMM
As aventuras do Barão de Münchausen – legenda descritiva
Os irmãos Grimm – dublado e com audiodescrição
Disponíveis on-line de 25 de janeiro, às 13h, até 31 de janeiro, às 23h59.
O acesso é gratuito via plataforma Wurlak.com.br.
Os interessados deverão se cadastrar, sem custo, para poder conferir os filmes.
Aqueles que optarem por assistir via smartphone ou tablet, o recomendado é que faça download do aplicativo do serviço de streaming, que está disponível nas versões para IOS e Android.

As Aventuras do Barão de Münchausen
The Adventures of Baron Munchausen, 1988, ING/ITA/ALE/EUA, 126min, cor
Direção: Terry Gilliam
Elenco: John Neville, Eric Idle, Jonathan Pryce, Sarah Polley, Robin Williams, Uma Thurman
Sinopse: O filme conta as fantásticas histórias do Barão de Münchausen, o maior mentiroso de todos os tempos. Enquanto tenta escapar da morte para encontrar seus amigos com habilidades especiais e salvar a cidade de Viena do ataque dos turcos, o Barão relembra uma inusitada aposta com um Califa, a visita à Lua, a dança com a deusa Afrodite, entre outras aventuras. Classificação: Livre.

Os irmãos Grimm
The Brothers Grimm, 2005, TCH/EUA,118min, cor
Direção: Terry Gilliam
Elenco: Matt Damon, Heath Ledger, Jonathan Pryce, Lena Headey, Mackenzie Crook
Sinopse: Wilhelm e Jacob são dois irmãos famosos pelos seus contos de fada, repletos de personagens mágicos. Eles percorrem a Europa comandada por Napoleão Bonaparte enfrentando monstros e demônios falsos em troca de dinheiro rápido. Porém, quando as autoridades francesas descobrem o plano deles, os colocam para enfrentar uma maldição real em uma floresta encantada, na qual meninas desaparecem misteriosamente. Classificação: Livre.

Sobre os curadores
Eduardo Reginato – curador, mediador do debate, professor curso, palestrante
Diretor, produtor, roteirista, escritor e crítico de cinema. É formado, mestre e doutorando em Literatura pela Universidade Federal Fluminense, pesquisando cinema e literatura fantástica, de horror e fantasia. Na televisão foi diretor e roteirista do programa Cinema Mundo (2006) do extinto canal Cine Brasil TV e produtor dos programas (Re)corte Cultural e Arte com Sérgio Britto da TVE (atual TV Brasil). Foi um dos curadores das mostras Bertrand Blier e a Comédia da Provocação (2017) na Caixa Cultural SP, Mel Brooks – Banzé no Cinema (2020), Estúdio Hammer – A Fantástica Fábrica de Horror (2021) no CCBB, entre outras. Foi produtor das mostras O Cinema Total de David Lean (2015), Syberberg, um filme da Alemanha (2016), Aventura Antonioni (2017), Scorsese (2019), Fellini, il Maestro (2020), entre outras.

Christian Caselli – curador, mediador do debate, palestrante
Cineasta, editor e curador. Ganhou retrospectivas de sua obra em 2005 e 2015 em Portugal, em 2013 no Peru e em vários festivais do Brasil. Acumula mais de 10 prêmios e seu curta mais conhecido é "O Paradoxo da Espera do Ônibus", de 2007. Trabalhou na edição e videografismo no longa "Salto no Vazio" (de Cavi Borges) e em documentários sobre o cantor Serguei e os cineastas Neville de Almeida, Ivan Cardoso e Luiz Rosemberg Filho. Para a TV, dirigiu as séries "Trash!" e "Cinema de Bordas" (Canal Brasil) e os programas "A TV que o Brasil Está Pensando" e "TV e Grandes Autores" (TV Brasil). Presta serviços para eventos de cinema em todo país, tais como Mostra do Filme Livre (desde 2005), Maranhão na Tela (desde 2008), Festival Curta o Curta, entre outros. Nestes, realiza oficinas, vinhetas, curadoria, produção, making ofs, etc.

SOBRE O CCBB
O Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro ocupa o histórico nº 66 da Rua Primeiro de Março, no centro da cidade, prédio de linhas neoclássicas que, no passado, esteve ligado às finanças e aos negócios.

No final da década de 1980, resgatando o valor simbólico e arquitetônico do prédio, o Banco do Brasil decidiu pela sua preservação ao transformá-lo em um centro cultural. O projeto de adaptação preservou o requinte das colunas, dos ornamentos, do mármore que sobe do foyer pelas escadarias e retrabalhou a cúpula sobre a rotunda.

Inaugurado em 12 de outubro de 1989, o Centro Cultural Banco do Brasil conta com mais de 30 anos de história e celebra mais de 50 milhões de visitas ao longo de sua jornada. O CCBB é um marco da revitalização do centro histórico da cidade do Rio de Janeiro e mantém uma programação plural, regular, acessível e de qualidade. Agente fomentador da arte e da cultura brasileira segue em compromisso permanente com a formação de plateias, incentivando o público a prestigiar o novo e promovendo, também, nomes da arte mundial.

O prédio possui uma área construída de 19.243m². O CCBB ocupa este espaço com diversas atrações culturais, como música, teatro, cinema e exposições. Além disso, possui Biblioteca, além de abrigar o Arquivo Histórico e o Museu Banco

PROGRAMAÇÃO
MOSTRA TERRY GILLIAM – O ONÍRICO ANARQUISTA

CCBB RIO DE JANEIRO

Serviço
Mostra Terry Gilliam – O Onírico anarquista

Local: Centro Cultural Banco do Brasil - Cinema I
Endereço: Rua Primeiro de Março, 66 - Centro - 20010-000 / Rio de Janeiro (RJ)
(21) 3808-2007 | Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Funcionamento:
De quarta a segunda de 9h às 20h. A entrada do público é permitida apenas com apresentação do comprovante de vacinação contra a COVID-19 e uso de máscaras. Não é necessária a retirada de ingresso para acessar o prédio, os ingressos para os eventos podem ser retirados na bilheteria do CCBB ou previamente no site Eventim.
Data: de 5 a 31 de janeiro de 2022
Horários: consultar programação em eventim.com.br
Entrada Gratuita
Lotação: 98 lugares
Todos os ingressos serão disponibilizados no site eventim.com.br
Classificação: ver programação
Acesso para pessoas com deficiência: Sim
Patrocínio: Banco do Brasil
Realização: CCBB

INFORMAÇÕES AO PÚBLICO
SITE: www.bb.com.br
Twitter: twitter.com/CCBB_RJ
Facebook: www.facebook.com/CCBB .RJ
Instagram: @ccbbrj
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Fonte: CCBB Rio

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31