RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - O Museu do Amanhã, na Praça Mauá, abriu ao público, a partir do dia 12, até 5 de fevereiro de 2017, a exposição Rolé pelo Rio Hackeado, sobre a capacidade de as pessoas poderem mudar a cidade onde vivem.

A mostra, segundo a diretora do Laboratório de Atividades do Amanhã do museu, Marcela Sabino, dá chance às pessoas de “falar, debater, criar coisas novas”.

Segundo Marcela, o Museu do Amanhã importou, para essa exposição, a ideia do hackeamento da cultura digital dos Estados Unidos, que, no início desse processo, nos anos de 1950, tinha como objetivo melhorar o código digital e torná-lo mais elegante.

“O que estamos querendo dizer com essa exposição é que as pessoas também podem hackear a cidade, entender a cidade como um sistema e podem modificá-la”. Por meio de projetos interativos, os visitantes poderão apreciar as transformações, ou hackeamentos, ocorridos em vários bairros do Rio de Janeiro. Na Urca, na zona sul, por exemplo, mostra-se a mureta que acabou virando um ponto de encontro das pessoas nos fins de semana. Ou o viaduto de Madureira, na zona norte, que se transformou no maior baile charme do Brasil.

Na mostra, estão expostos vários hackeamentos que já acontecem na cidade, no dia a dia, traduzidos pelas orquídeas colocadas em árvores nas ruas, até ações como limpeza de praças, pintura de muros. “Ações, enfim, que mostram como se pode hackear para melhor”, comentou a diretora.

Outra prática já adotada em todo o mundo e que está incluída na exposição são as hortas urbanas, que aproveitam espaços vazios das cidades “e deram vida a esses espaços e podem criar novas economias”, segundo Marcela Sabino. Nesse caso, o exemplo citado foi a horta urbana criada no Lixão do Vidigal, em São Conrado, zona sul do Rio, que se transformou em um centro de lazer naquela comunidade carioca.

A ideia é levar as pessoas a analisar o que as incomoda na cidade e, ao mesmo tempo, incentivá-las a perceber como podem contribuir para melhorar isso, para  “cada vez mais incentivar os moradores a contribuir para a mudança da cidade para melhor”, diz a diretora. Segundo Marcela, muitas experiências acabam sendo incorporadas pela administração municipal, em algum momento. Ou seja, fazem com que os moradores da cidade sejam não só usuários, mas agentes de transformação, a partir da adoção de ações sustentáveis.

Fonte: Agência Brasil

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31