RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - O Museu Nacional/UFRJ lançou um financiamento coletivo com o objetivo de remontar a reconstituição do dinossauro Maxakalisaurus topai, também conhecido como dinoprata.

A estrutura, com 13 metros de comprimento medidos da cauda à cabeça, estava em exibição em uma sala do museu desde 2006. Porém, no final de 2017, devido a um ataque de cupins que destruiu a base de madeira que sustentava o esqueleto do dinossauro, a exposição teve de ser interrompida. O Maxakalisaurus topai é uma das principais atrações do Museu Nacional e foi o primeiro de grande porte a ser montado no país.

Segundo o diretor do museu e descobridor do dinossauro, o paleontólogo Alexander Kellner, o objetivo da iniciativa é arrecadar R$ 30 mil reais para reabrir a sala com o dinossauro até junho, integrando-a assim aos eventos comemorativos dos 200 anos da instituição, criada por decreto de D. João VI de 6 de junho de 1818. Tendo vivido no período Cretáceo, há mais de 80 milhões de anos, na região onde fica atualmente o município de Prata, no Triângulo Mineiro, em Minas Gerais, o Maxakalisaurus topai era um réptil herbívoro e pesava até nove toneladas. 

A reconstrução completa, utilizando ossos feitos de resina, ficava à mostra com alguns fósseis reais do animal, que, por serem frágeis, tiveram de ser guardados. Para a reconstrução da base de madeira, há várias formas de doar, a partir de R$ 20, até o dia 4 de junho. Em troca, são ofertadas recompensas como réplicas de dentes de dinossauros, camisetas, canecas e um desenho original feito pelo paleoartista Marílio Oliveira.

As doações devem ser feitas no site da campanha: https://benfeitoria.com/maxakalisaurus

Fonte: Faperj

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31