RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - Os dois mil metros quadrados de área expositiva do Paço Imperial, vinculado ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), será, totalmente, ocupado, entre 17 de dezembro e 28 de fevereiro por umas das maiores mostras já realizadas neste importante ponto cultural do Rio de Janeiro (RJ). Serão realizadas, simultaneamente, individuais de setes artistas: José Bechara, Célia Euvaldo, Renata Tassinari, David Cury, Cristina Salgado, Bruno Miguel e Amalia Giacomini.

O conselho curatorial, composto por Carlos Vergara, Luiz Aquila e Marcelo Campos, reuniu pinturas, esculturas, desenhos e instalações que foram dispostas, proporcionando ao público uma leitura macro da produção artística da década de 1980 até a contemporaneidade. São artistas veteranos e jovens que apresentam suas obras como um retrato de gerações; e não pretendem criar, necessariamente, uma comunicação ou temática entre si.

Ao percorrer as salas expositivas é possível estar em contato com obras apresentadas nas mais diversas formas, materiais e plataformas, que dialogam com outras áreas de conhecimento como arquitetura e audiovisual. A diretora do Paço Imperial, Claudia Saldanha, destaca que a ocupação no Paço “busca a continuidade de uma de suas mais importantes ações – a de mostrar a recente produção da arte contemporânea brasileira”.

Saiba mais sobre cada uma das mostras:

José Bechara | Jaguares
O carioca José Bechara ocupa a sala do térreo do Paço com sete pinturas em três dimensões. Intitulada “Jaguares”, o trabalho é resultado da pesquisa de dois anos do artista sobre limites da pintura. Ele usa materiais como vidro, papel glassine, mármore, lâmpada e cabos de aço.

O artista chama de “pintura” trabalhos em três dimensões, em que vidros funcionam como planos. Ele acha que o visitante pode se perguntar se está mesmo diante de uma pintura, mas adverte que “diferentemente da escultura, o espectador não circunda o trabalho. Você imagina que uma pintura seja uma operação bidimensional. A minha pintura vem de uma produção tridimensional”.

Sobre o artista
José Bechara nasceu no Rio de Janeiro em 1957, onde vive e trabalha. Estudou na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, RJ. Integrou exposições, como a Bienal Internacional de São Paulo de 2002; Panorama da Arte Brasileira de 2005, no MAM-SP; 5ª Bienal Internacional do Mercosul (2005); Trienal de Arquitetura de Lisboa (2011); “Caminhos do Contemporâneo” (2002) e “Os anos 90” (1999), ambas no Paço Imperial, entre outras.

Célia Euvaldo
Curadora Vanda KlabinA paulistana Célia Euvaldo apresenta conjuntos de cinco colagens e de cinco pinturas, datados de 2013 a 2015. A partir de sua experiência recente sobre a massa e o peso da tinta, a artista usa colagens e materiais de consistências diferentes, em pinturas de óleo sobre tela.

Sobre a artista
Célia Euvaldo mora e trabalha em São Paulo. Começou a expor na década de 1980. Suas primeiras individuais foram na Galeria Macunaíma (Funarte, RJ, 1988), no Museu de Arte Contemporânea da USP (1989) e no Centro Cultural São Paulo (1989). Ainda em 1989, ganhou o I Prêmio no Salão Nacional de Artes Plásticas da Funarte. Participou da 7ª Bienal Internacional de Pintura de Cuenca, Equador (2001) e da 5ª Bienal do Mercosul (2005). Realizou individuais no Paço Imperial (1995 e 1999), entre outras.

Renata Tassinari
Curadora Vanda Klabin
A paulistana Renata Tassinari mostra 16 trabalhos, entre pinturas de grandes dimensões sobre acrílico e desenhos em óleo sobre papel japonês, inéditos no Rio de Janeiro, celebrando 30 anos de carreira. A curadora de Vanda Klabin fez um recorte da última década de produção da artista para a exposição

 (Nota do editor: notícia originalmente publicada em 17/12/2015 às 07:57hs - 58 visitas até 16/05/2016 ) 

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31