RIO DE JANEIRO, Rio de Janeiro - Pintor, desenhista, escultor e gravador, Carlos Bernardo Bracher nasceu em Juiz de Fora, Minas Gerais, em 1940.

Em sua premiada carreira, o artista tem como tema recorrente a paisagem e dedica-se ao "dramático e mágico exercício de compreendê-la". Bracher substitui a pincelada solta por outra mais impessoal, criando superfície lisas, valorizando as linhas de contorno e a definição quase escultórica das formas, com o predomínio de uma gama cromática constituída por tons frios.

Como poderemos ver no video com lançamento sexta, dia 18 de setembro, às 16h, no Projeto Arte em Diálogo – Na Quarentena, nas redes sociais do do Museu Nacional de Belas Artes: Facebook - MNBARio e Instagram - @mnbario

Frequentador da Sociedade de Belas Artes Antônio Parreiras, em Juiz de Fora, (MG), no inicio de sua formação, entre 1965 e 1966, Carlos Bracher foi aluno de Fayga Ostrower (1920 - 2001) na UFMG, em Belo Horizonte, quando pintou as igrejas barrocas e o casario colonial mineiro. Estudou técnicas de mural e de mosaico com Inimá de Paula. Em 1967, recebeu o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro, o que o levou a fixar-se principalmente em Paris e Lisboa, onde aperfeiçoou sua pintura e expôs em galerias locais. Em 2016, Bracher ganhou o Troféu JK de Cultura e Desenvolvimento de Minas Gerais, vencendo a categoria Cultura – Artes Plásticas – Pintura outros tempos.

Retornando ao Brasil em meados de 1970, Bracher passou a residir em Ouro Preto(MG). Em 1989, ganhou a exposição retrospectiva de seus 30 anos de trabalho, intitulada “Pintura Sempre”, em São Paulo, Curitiba, Rio, Brasília e Belo Horizonte. No ano seguinte, o artista pintou uma série de quadros em homenagem ao centenário da morte do pintor holandês Vincent van Gogh (1853 - 1890), que foi exposta em galerias e museus no Brasil e no exterior.

Sua obra foi analisada em vários livros, como “Bracher”, do crítico Olívio Tavares de Araújo, em 1989, e “Bracher: Do Ouro ao Aço”, em 1992. “A obra de Bracher apresenta uma visão dramática da paisagem mineira. Também as paisagens do Rio de Janeiro e São Paulo são marcadas por essa dramaticidade, conferida principalmente pela gama cromática densa e escura”, afirma Olivio Tavares.

O Museu Nacional de Belas Artes/IBRAM, desenvolveu o projeto Arte em Diálogo - Na Quarentena, para proporcionar aos artistas contemporâneos e à sociedade civil uma interação afetiva e reflexiva, neste difícil momento de isolamento social.

Redes Sociais
Facebook: www.facebook.com/MNBARio
Instagram: https://www.instagram.com/mnbario/
Inscreva-se no Canal do Youtube: MNBARio

Fonte: MNBA

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31