MINAS GERAIS, Belo Horizonte - A oficina Do tambor ao sampler a pele vibra abre nesta segunda-feira, 8 de novembro de 2021, a partir das 17h, a programação de mais uma edição do Novembro Negro na UFMG


Gil Amâncio é uma referência da cultura negra em vários campos artísticos (Arquivo pessoal)

A oficina será ministrada pelo artista Gil Amâncio, mestre de saberes tradicionais, com transmissão pelo canal da Pró-reitoria de Assuntos Estudantis (Prae) na plataforma YouTube.

Africanas e africanos que cruzaram o Atlântico – escravizados ou não – carregavam em seus corpos os códigos sonoros e cinéticos que guardavam os conhecimentos ancestrais necessários à manutenção de suas vidas e das novas gerações. Quando tocavam tambores, cantavam suas canções e dançavam, “esses corpos criaram nas Américas a modernidade afrodiaspórica, territórios de invenção e cura nos quais a pele vibra”, explica Gil Amâncio.

O Novembro Negro é promovido por vários coletivos negros da UFMG, com suporte da Pró-reitoria de Assuntos Estudantis (Prae).

O artista
Natural de Belo Horizonte, o artista multimídia Gil Amâncio iniciou sua carreira em 1976 como ator e músico, estudou dança, trabalhou como preparador corporal para espetáculos de teatro e compôs trilhas sonoras para espetáculos. Um dos fundadores da Cia SeráQue? junto com Rui Moreira e Guda, integrou o coletivo Black Horizonte, onde desenvolve projetos de dança negra contemporânea. É coordenador do Núcleo Experimental de Arte Negra e Tecnologia (Nega) em que investiga as relações entre corpografia e musicalidade nas danças negras contemporâneas e o uso das tecnologias digitais de áudio e imagem nos processos de composição coreográficos. É um dos idealizadores do Festival de Arte Negra (FAN), considerado um dos eventos mais importantes sobre produção artística negra fora do continente africano.

Fonte: UFMG (com informações do BDMG Cultural)

Agenda

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31